Documento sem título

 


Documento sem título
PORTAL DE M. VERDE

Associação Comercial

Câmara M. Camanducaia 

Cartão Postal - Mte. Verde

Edições anteriores
Emancipação

Fale conosco

Fórum moradores
Fotos da Cidade
História de Mte. Verde
Horário de ônibus

Hotéis-Mte. Verde

Índice por assunto

Mapa das trilhas

Mapa das ruas
Mapa de Localização
Prefeitura/Camanducaia
Zé Verdinho/prefeito
ROTEIROS
Gonçalves
Cachoeira dos Pretos
Campos do Jordão
SERVIÇOS
Câmara Federal
CEP

DETRAN-SP

Direito - portal

Lista telefônica
Esoterismo - portal

Receita Estadual-MG

Receita da Fazenda

Senado Federal
Tribunal Sup. Eleitoral

Sup. Tribunal de Justiça
Sup. Tribunal Federal
Tribunal de Contas-MG
BANCOS
Banco Real
Bradesco
Caixa Federal
Banco Itaú
Banco do Brasil
Nossa Caixa-SP
Unibanco
IMPRENSA
Fórum de imprensa
Jornais Brasileiros
Jornal dos Bairros-SP
Voz da Terra-Assis-SP
PORTAL REGIONAL
Cachoeira dos Pretos
Camanducaia-dados
Camanducaia - história
Prefeitura-Cambui-MG
Prefeitura de Extrema

VOZ DA TERRA
Jornal de Monte Verde 

Diretor Responsável: Egydio Coelho da Silva - Diretora de redação: Suely Silva
Rua dos Eucaliptos, 61 - Monte Verde - Camanducaia - MG - Brasil
Fone: 35-3438-2035 - Fale Conosco

- Bem-vindo !
FÓRUM DE MONTE VERDE / CAMANDUCAIA
MENSAGENS RECENTES NO FINAL DA PÁGINA

Coordenador: Egydio Coelho da Silva

FÓRUM MONTE VERDE / CAMANDUCAIA EM 07/JANEIRO/2007
De: David Quintino
Cidade: Quintinos- Estado -MG - País: Brasil
Para: Fórum Monte Verde/Camanducaia

Assunto: Emancipação de distritos e incorporação de município menor ao município vizinho maior.


Caro Egydio Coelho da Silva.
Gostaria que você me enviasse um email contendo os passos e os documentos necessários para a emancipação de um Distrito. Desde já agradeço pela ajuda. Obrigado.
Caro David,
Lamento informá-lo de que, com a aprovação da Emenda Constitucional n.º 15 de 26-09-1.996, que alterou o parágrafo
4.º do artigo 18 da Constituição Federal de 1.988, torna praticamente impossível no momento a emancipação de distritos.
A Emenda Constitucional n.º 15 de 26-09-1.996 deu a seguinte redação ao parágrafo 4.º do artigo 18 da Constituição Federal:
“A criação, a incorporação, a fusão e o desmembramento de municípios far-se-ão por lei estadual, dentro do período determinado por lei complementar federal e dependerão de consulta prévia, mediante plebiscito junto às populações dos municípios envolvidos...”.
Observe que a Constituição passou a a exigir que as populações tanto da sede do município, como do distrito interessado em se separar ou incorporar votem a favor. Como, normalmente, a população da sede é maior do que a do distrito, com certeza, não votará a favor.
Paradoxalmente, o inverso me parece possível: o município maior incorporar o município vizinho menor, fazendo-o retornar a distrito.

De qualquer forma, nenhuma coisa pode acontecer hoje. Isto porque não existe ainda a lei complementar federal que regulamente o processo de criação, incorporação, fusão e desmembramento de municípios. Portanto, essa ausência de Lei Federal inviabiliza inclusive o início do processo de emancipação ou incorporação. Abs.
Egydio Coelho da Silva

FÓRUM MONTE VERDE / CAMANDUCAIA EM 15/JANEIRO/2007
De: Waldeci de Góes Maciel
Cidade: Monte Verde. Estado: MG. País: Brasil
Para: Fórum Monte Verde/Camanducaia

Assunto: Aprovar emancipação em plebiscito gera ação de inconstitucionalidade.


Caro Egydio,
Em comentários a respeito de emancipação de distritos feitos por você quando diz que dificilmente a sede vota a favor, gostaria de lhe dizer que em duas recentes consultas plebiscitárias para emancipação de distrito o SIM ganhou, foi o que aconteceu em 29/06/2003 no município de Laguna SC, onde a população do Município votou a favor da criação do município de Pescaria Brava e também no Município de Içara SC a população em 14/09/2003 votou a favor da criação do município de Balneário Rincão.
Mas infelizmente respeitando a Emenda Constitucional 15/96 estes novos municípios não prosperaram devido a ação direta de inconstitucionalidade
Um Abraço. Waldeci de Góes Maciel.
Caro Waldeci,
Sua informação é muito útil, pois mostra que, hoje e no mínimo nos próximos dez anos, é legalmente impossível os distritos se emanciparem.
Como a maioria das populações dos distritos não tem essa informação, os políticos demagógicos defendem a tese de emancipação, que é uma mensagem política de fácil aceitação pelos eleitores. Com Monte Verde tem acontecido isso. Há quase uma década.
Foi assim com os ex-prefeitos Dr. Mazinho e Emydio e agora com o prefeito Célio de Farias dos Santos, que declaravam e se declara a favor da emancipação demagogicamente, pois sabiam e sabe que isso é impossível. Além da vantagem política que levam, lhes tira a responsabilidade pelos compromissos de campanha de dar a devida atenção a Monte Verde.
Por isso, agradeço a sua honestidade política de informar a todos a situação jurídica que, no momento, inviabiliza a emancipação de distritos. E, o pior, facilita a incorporação de município menor pelo vizinho maior, fazendo-o retornar a distrito. Abs.
Egydio Coelho da Silva

FÓRUM MONTE VERDE / CAMANDUCAIA EM 15/JANEIRO/2007
De: Shoko. Email:
rodrigokakara@gmail.com
Cidade: . Estado: . País:
Para: Fórum Monte Verde/Camanducaia

Assunto: Aluguel de veículos em fins de semana


Boa tarde.
Gostaria de saber se há empresas ligadas à locação de veiculos para o fim de semana. caso não tenha em Monte verde....há em Camanducaia? Grato.
Infelizmente não tenho essa informação.
Se alguém, que participa deste Fórum souber, favor informar. Grato.
Egydio Coelho da Silva
 

VOZ DA TERRA ON LINE-MONTE VERDE EM 16/01/2.007

Esquilo paulistano vem morar em MV – Uma história de consciência ambiental


Teco já é de casa e não teme quem o ama

Por Suely Silva

Esquilo paulistano vem morar em MV – Uma história de consciência ambiental-
No dia 12 de janeiro recebi um telefone de uma amiga, Carla Rizzo, que mora em São Paulo e possui casa de férias em MV. Ela me contou que encontrou um esquilo na Praça Vila São Francisco em SP, completamente perdido e desnorteado. Carla e mais duas meninas conseguiram pegar o esquilo que foi devidamente alojado para ser transportado o mais rápido possível para seu habitat natural. Carla Rizzo me pediu que soltasse o esquilo em Monte Verde para ele se adaptar aqui, já que se encontram vários da sua espécie. Seu amigo, Eraldo Lisboa, que também mora em SP e possui casa em MV, me trouxe o esquilo no dia seguinte.Pensei em vários locais, no Santuário Taliesim, onde já vivem várias espécies de animais silvestres que são cuidados pela amiga Mariângela. Mas, como o esquilo se encontrava estressado e até então perdido, resolvemos escolher um local na serra longe de cães e gatos, que seria uma ameaça para sua sobrevivência. O local escolhido foi à casa da Kiki, na rua Lira, no Jardim das Montanhas, onde já existem vários esquilos que invadiram a sua casa.Eles andam pela varanda, pela casa, sobe na gente e ficam livremente passeando como se a gente fizesse parte do seu meio. O primeiro esquilo a aparecer na Kiki colocamos o nome de Chico e depois surgiram outros e mais outros, que resolvemos chamar de filhos de Francisco, até que pudéssemos identificar e dar um nome para cada um deles. O Teco Paulistano foi solto no dia 14 na casa da Kiki, na qual ficamos observando seus passos até a sua adaptação junto aos outros. É claro, que saiu muitas brigas entre eles, mas o paulistinha não se intimidou e no terceiro dia já estava dentro da casa amigavelmente como os outros, onde é até possível passar a mão no bichinho, enquanto ele se alimenta de amendoim e castanhas.
O final da história do esquilo perdido foi feliz, mas de acordo com a versão da Carla Rizzo, duas garotas trouxeram o esquilo de Campos do Jordão para a grande São Paulo, e com razão, o esquilo não se adaptou e foi deixado na praça São Francisco. O importante desta história é a lição que ela nos ensina: jamais capture um animal silvestre e leve para casa. Além de ser um crime ambiental, você tira o animal do seu habitat natural e quem sofre são eles mesmos. O Teco chegou mancando de uma patinha e com o rabo mordido por ele mesmo durante o seu desespero de não encontrar um lar. Mas agora, depois de dias de observação, notamos o seu desempenho e sua felicidade por estar em Monte Verde.
Que essa história sirva de lição para os desavisados, pois desta vez conseguimos salvar, graças ao desempenho da Carla que o resgatou, do Eraldo que viajou com ele até MV, a mim que o transportou até a serra e a Kiki que ofereceu o seu lar para ele viver. Suely Silva/VTMV

FÓRUM MONTE VERDE / CAMANDUCAIA EM 16/JANEIRO/2007
De: Waldeci de Góes Maciel
Cidade: Monte Verde. Estado: MG. País: Brasil
Para: Fórum Monte Verde/Camanducaia

Assunto: Emancipação: preocupação com melhor administração ou com objetivo apenas de abrir "vagas" para prefeito, vereadores e nepotismo.


Caro Egydio!
Entendo perfeitamente que a emancipação de Distritos no momento é inconstitucional devido a dita " Lei Serra" ou Emenda Constitucional nº. 15 de 1996 e durante este período de mais de uma década alguns Distritos que não suportando as más administrações de sua sede tentam sem sucesso conseguir a sua independência política, administrativa e orçamentária. Em Monte Verde com a eleição do Prefeito Célio com o seu Vice que era de Monte Verde,pensei que pelo menos a questão Administrativa e Orçamentária seriam feitas com mais afinco e vontade política de resolver os problemas sociais, mas o que vejo é uma máquina administrativa travada, inchada e sem o dito orçamento próprio para Monte Verde que foi prometido a todos os cantos do Nosso Distrito.
No que toca ao seu comentário a respeito do E-mail do Sr. David Quintino, onde você diz que a população da Sede não votaria a favor de emancipação de Distritos, permita lhe informar o que ocorreu no Estado de Santa Catarina; No município de Laguna em 29/06/2003 a consulta plebiscitária para emancipação do Distrito de Pescaria Brava foi positiva para a criação deste Município, e em Içara a consulta plebiscitária realizada em 14/09/2003 para a criação do Município de Balneário Rincão também foi positiva. Contudo devido a ação direta de inconstitucionalidade não foi possível a criação destes municípios, mas finalizando Egydio as Comissões emancipacionistas hoje, tem um papel importante no processo de criação de município pois mostra o descontentamento com as políticas adotadas em seus distritos e se cada distrito com verdadeiro potencial para se tornar município faz a sua pressão política, um dia quem sabe o projeto de lei complementar PLP 130/96 saia da gaveta com algumas alterações e venha se tornar o sonho de Monte Verde em se tornar Município.
Um Abraço!
Caro Waldeci,
Pelo que entendi você diz que a população do distrito de Pescaria Brava, que pertence ao município de Laguna, teria votado a favor de sua própria emancipação e que também a população do  município de Laguna teria votado a favor de deixar o distrito de Pescaria Brava se emancipar. É isso?
Se isso aconteceu, gostaria que você me informasse onde você obteve essa informação. Foi junto ao TRE de Santa Catarina ou notícia de jornal?
Igualmente como você, acho que é válida a luta contra o engessamento de emancipação de distritos, principalmente pela omissão de Lei Federal que regulamente a Emenda Constitucional n.º 15 de 26-09-1.996.
Todavia, em Monte Verde entendo que devemos ter preocupação com a intenção dos políticos "favoráveis" a emancipação, pois, a maioria está interessada somente em mais vagas para prefeito, vereadores e até para a prática do nepotismo.
Será que a população está interessada em ter mais prefeitos, mais vereadores, mais funcionários públicos e, por isso, ter que pagar mais impostos?
Não podemos esquecer que Alfa Ville, um dos bairros mais ricos de São Paulo, se recusou a se emancipar para evitar esses custos.
Ainda acho que discutir esse tema - principalmente em Monte Verde agora que é impossível legalmente se emancipar - é induzir o povo a erro.
Parece-me mais inteligente discutir temas mais imediatos: como saneamento básico, habitação popular, poluição visual, ruas mais bem cuidadas com passeios para pedestres, menos animais soltos nas vias públicas, tirando a característica de cidade abandonada pelos poderes municipais, que ganham altos salários, cobram impostos altíssimos e nada fazem. Abs.
Egydio Coelho da Silva

FÓRUM MONTE VERDE / CAMANDUCAIA EM 17/JANEIRO/2007
De: José Luiz Prado
Cidade: Palmópolis. Estado: MG. País: Brasil
Para: Fórum Monte Verde/Camanducaia

Assunto: Emancipação: sede do município vota a favor quando o distrito só dá prejuízos.


Sou presidente da comissão de emancipação de Dois de Abril, distrito de palmópolis, vale do Jequitionha, MG. Acho que o pensamento de emancipação no Brasil tem que ser um pensamento nacionalizado, voltado para o todo e não simplesmente para uma região, não podemos levar em consideração a má vontade dos políticos de Camanducaia em relação a emancipação de Monte Verde. É claro e notório que a arrecadação deste distrito é grande e a sede irá perdê-lo. No nosso caso e na maioria dos casos os distritos que não produz dão prejuizos ao município, então com certeza nestes casos a população da sede do município votará tambem a favor, temos certeza disso. Vamos aguardar um novo projeto de lei, que tudo indica já está sendo elaborado para conseguirmos nossos objetivos. Gostaria que se vcs tiverem a relação dos distritos de mg, que não conseguiram emancipar junto a Monte Verde na última vez que passe para nós a relação. Um grande abraço....... José Luiz Prado!
Em tempo: Este seu jornal, Egydio, tem se tornado numa grande referência para nós emancipadores. Tenho passado seu site para várias pessoas, por isso peço-lhe que nos ajude no sentido de formarmos uma comissão nacional de emancipação. Se hoje não tem lei que emancipe, amanhã poderemos ter; já tem deputado elaborando um novo projeto de lei com esse objetivo.
Caro José Luiz,
Você destaca o aspecto egoísta de cada população.
Assim, é fundamental que haja regulamentação do 
parágrafo 4.º do artigo 18 da Constituição Federal.
E isso só pode ser feito por deputado federal ou senador. Portanto, entendo que é trabalho que caberia a todos os eleitores, presidentes de partidos políticos, etc. interessados em acabar com o engessamento legal de emancipações de distritos, que devem solicitar a seus representantes (somente deputado federal e senador) que apresentem o projeto de Lei regulamentando esse dispositivo constitucional.
Não me parece importante que deputados estaduais, prefeitos, vereadores, etc. sejam contra ou favor, de acordo com suas conveniências políticos locais, pois, não têm interesse em modificações, nem poderes que possam alterar a Constituição, nem mesmo a legislação federal sobre o assunto.

Acho que você está certo quando diz que a "emancipação no Brasil tem que ser um pensamento nacionalizado, voltado para o todo".
A Lei tem que regulamentar não só o interesse do distrito a ser emancipado, mas também o da sede e, principalmente, o interesse das populações, que é quem paga a conta das custas de mais uma prefeitura e câmara municipal.
Sua idéia de comissão nacional contra a falta de regulamentação adequada sobre emancipação me parece válida.
Já estou relacionando os emails dos que são presidente de comissões emancipadoras locais. Abs. e grato pela participação.
Egydio Coelho da Silva

FÓRUM MONTE VERDE / CAMANDUCAIA EM 17/JANEIRO/2007
De: Waldeci de Góes Maciel
Cidade: Monte Verde. Estado: MG. País: Brasil
Para: Fórum Monte Verde/Camanducaia

Emancipação: resultado de pesquisa plebiscitária.


Caro Egydio!
Em relação a sua pergunta sobre a consulta plebiscitária feita no Município de Laguna para a criação do município de Pescaria Brava em 29/06/2003 vou te dar o resultado e onde tirei esta informação em 2003.

Opção

votos

 %

SIM

12.877

52,38

Não

11.707

47,62



 
Estas informações estão no TRE-SC desde de junho de 2003.
Um Abraço!
Caro Waldeci,
Em resposta à consulta que fiz ao TRE de Santa Catarina, se confirmou mais uma vez que o problema é a falta de legislação federal regulamentando o
parágrafo 4.º do artigo 18 da Constituição Federal.
Tem acontecido que deputados estaduais, demagogicamente, fazem leis criando municípios e se inicia o processo, com plebiscito e tudo mais. Aí vem a decisão, já reiterada em outras ocasiões pelo STF, de que "enquanto não promulgada a respectiva lei complementar padece do vício da inconstitucionalidade norma estadual que proceda à criação, incorporação, fusão ou desmembramento de municípios". 
Quanto ao fato de que o plebiscito ouviu ambas as populações envolvidas ou somente a população de Pescaria Brava ainda o TRE-SC não me esclareceu e estou reiterando o pedido.
Abs.  Egydio Coelho da Silva

FÓRUM MONTE VERDE / CAMANDUCAIA EM 17/JANEIRO/2007
De: Célio de Faria Santos, prefeito
Cidade: Camanducaia. Estado: MG. País: Brasil
Para: Fórum Monte Verde/Camanducaia

Emancipação: Prefeito quando se diz a favor ofende os moradores do distrito que se sentem desprezados e humilhados.


Emancipar não significa uma ação política ou demagógica, mas sim, econômica. Algumas pessoas desconhecedoras da realidade financeira do Município afirmam que Monte Verde sustenta Camanducaia. Não é verdade. O IPTU, O ISS, as Taxas e os Alvarás de Funcionamentos de estabelecimentos comerciais de todo o Município representam na sua receita global, algo em torno de 20%.
Hoje vivemos uma alta inadimplência, assim bem como, sonegação e evasão de divisas que fogem ao controle do erário e impossibilita grandes obras ou melhorias salariais do funcionalismo.
 Daí concluirmos que o Município de Camanducaia é sustentado pelo FPM, pelos repasses do Estado de Minas Gerais e pelo conjunto de receitas do próprio Município, o qual hoje tem vocação turística (Monte Verde), agrícola (São Mateus de Minas e zona rural) e industrial (sede do Município). É o conjunto que sustenta todo o Município e todos são importantes neste contexto.
É por isto que Cambuí pouco se importou com a emancipação do Córrego do Bom Jesus, Bom Repouso e Senador Amaral. Na posse do Aécio Neves questionei o Prefeito Guimenti sobre estas emancipações. Imaginem se todos os benefícios que nesta Gestão foram alocados em Monte Verde e São Mateus fossem implantados em Camanducaia. Isto poderia ter acontecido se me posicionasse como um prefeito centralizador. Diferentemente procurei distribuir os benefícios para Camanducaia, Zona Rural, Monte Verde e São Mateus de Minas.
É óbvio que sei que hoje há lei que impede e emancipação. Conheço lei com  profundidade, já que sou posgraduado em direito e trago na bagagem mais de trinta anos de vivência no meio jurídico. Mas nada impede-me de ser favorável a uma questão que beneficiaria tanto Camanducaia como Monte Verde, São Mateus de Minas e a Zona Rural.
Mas, por que perder tempo discutindo assunto inócuos? chover no molhado? E o que nos levará discutir um assunto sem nenhuma possibilidade futura a curto prazo? Por fim devemos aguardar a possibilidade jurídica para voltarmos à tona. Hoje, tudo agora é mera conjectura. Célio de Faria Santos, prefeito Municipal
Prezado Prefeito,
Acho que a perda de uma parte do território do seu município sempre afeta o cidadão, não só pelo aspecto econômico, mas até pelos valores emocional, histórico e cultural.
Talvez tenha sido isso que levou o ex-prefeito de São Paulo, Francisco Prestes Maia, a lutar contra a emancipação de Osasco e perder e da mesma forma lutar contra a emancipação de Santo Amaro e vencer, pouco se importando se isso lhe daria mais votos ou não. Ele foi talvez o melhor prefeito que São Paulo já teve.
Eu pessoalmente teria dificuldade em votar em candidato a Presidente da República, que advogasse a emancipação de algum estado brasileiro.
Ou ainda votar em candidato a governador que defendesse o desligamento de algum município do Estado para outro estado vizinho. Da mesma forma, não votaria em candidato a prefeito que ache que é melhor perder território, desprezando a importância de um distrito, mesmo que aparentemente não fosse fácil de administrar ou que tenha custo elevado para a sede do município.
Os valores territoriais, históricos, culturais  e morais para um povo deveriam transcender os valores econômicos.
Acho que, quando o prefeito se manifesta a favor de emancipação de um distrito, ele ofende até a população desse distrito, que se sente desprezada e desvalorizada.
As populações sim têm essa liberdade e direito, mas não me parece política e eticamente correto que o próprio prefeito advogue diminuir o tamanho territorial e a importância política de seu município.
Na verdade, (com certeza não é o caso do Prezado Prefeito) o que se observa são apenas pronunciamentos de prefeitos a favor a emancipação, quando se dirigem a interessados, sempre com atitude suspeita de apenas fazer política partidária e pessoal.
Pois, se houvesse empenho mesmo em favor de emancipação, o prefeito faria contacto, até silencioso, com deputados federais, senadores e até a Presidência da República para regulamentar o
o parágrafo 4.º do artigo 18 da Constituição Federal.
De qualquer forma, isto aqui é um Fórum de debates e ninguém é dono da verdade; muito menos o seu coordenador. Vamos ouvir outras opiniões.
Parece-me louvável, porém, a sinceridade do Prezado Prefeito quando diz: "
Mas, por que perder tempo discutindo assunto inócuos? E o que nos levará discutir um assunto sem nenhuma possibilidade futura a curto prazo?".
Abs. e grato pela participação. Egydio Coelho da Silva

FÓRUM MONTE VERDE / CAMANDUCAIA EM 24/JANEIRO/2007
De: Beatriz Silva Gregório
Cidade: Monte Verde. Estado: MG. País: Brasil
Para: Fórum Monte Verde/Camanducaia

Secretário do Turismo tenta impedir trabalho em favor do turismo.


Sr. Egydio,
Solicito publicar texto abaixo, pois, é meu direito de me defender de agressões do Jornal Em Ação, assinado pela Biacard, matéria publicada no jornal on line, do secretário de Turismo, Sr. Gustavo Arrais, cujo título é "Cadê o Guia da Vila da Fonte?!? O gato comeu, o gato comeu" :
"Como o Secretário de Turismo pode tentar impedir uma empresa de realizar um trabalho o qual tem como objetivo principal desenvolver o turismo?
Quando contatamos à Administração Pública para o devido apoio ao projeto é porque tínhamos e temos certeza de que desenvolvemos um importante trabalho.
Enfim, muita luta, reuniões e ficou acertada a liberação do trabalho, considerando-o de bom nível, suficiente para que se desse prosseguimento.Se não fosse assim, o Secretário não teria disponível para o projeto um quantum no valor de R$10.000,00 da Honda e que poderíamos conseguir mais através de outras empresas, sendo necessário agregar valores ao guia para que isto fosse possível.
Dia 30 de novembro foi entregue pela Editora Biacard o CD do Guia Vila Da Fonte ao Secretário de Turismo, e cópia impressa do mesmo ao Senhor Prefeito, já editado, diagramado, revisado, contendo 50 páginas com páginas disponíveis para a Honda, a AHPMV, secretaria de turismo, etc. O mesmo nos informou, por e-mail de que teria levado o Cd à agência e a mesma não poderia finalizar o trabalho a tempo. Estive pessoalmente na agência contratada pelo Secretário , e fui informada de que a agência não teve conhecimento algum deste CD. Fomos informados também de que perderíamos o patrocínio, devido a Honda entrar em férias coletivas no dia 15 de novembro. Venho a informar-lhes que estive pessoalmente na Honda, sem sucesso de localizar o Fernando (contato do Secretário), porém fui informada de que a Honda não tem férias coletivas, a não ser a fábrica.A conclusão que chegamos é que estão tentando nos impedir , já que nossas idéias progressistas são melhores do que as idéias já existentes. Mas, informamos de que é inútil continuar tentando, visto que se tem o apoio dos empresários de Monte Verde.
Disse ainda, o Secretário que os Comerciantes já teriam pagado R$12.000,00, quando na verdade fora pago R$5.217,00 (cinco mil duzentos e dezessete reais), isso mesmo?
Cadê o Patrocínio da Administração Pública ?
Como poderia pagar pelo apoio de Suely Silva, como disse o Secretário em seu jornal? Além das impressões, viagens, arte final, valores que foram agregados ao guia, meses de trabalho, e etc ?
Portando, se torna inverdade o que foi publicado pelo Secretário no dia 23 de Janeiro no seu Jornal Em Ação, dizendo que este dinheiro foi usado para pagar o apoio que obtivemos.
Aproveito a oportunidade para informar que o Projeto continua de pé, tendo sido agregado outros valores maiores ainda, e que, esperamos o devido apoio do Senhor Prefeito, Dr. Célio, para que possamos junto ao Caderno de Turismo acrescentarmos o projeto do MV NEWS FESTIVAL.Vale ressaltar que nossos patrocinadores terão garantido o retorno líquido e certo de cada real investido. A propósito, tenho em mãos todo o relatório dos patrocinadores e tudo que já foi desenvolvido até agora, caso o senhor secretário queira averiguar"
.

FÓRUM MONTE VERDE / CAMANDUCAIA EM 24/JANEIRO/2007
De: Wagner Maciel
Cidade: Camanducaia. Estado: MG. País: Brasil
Para: Fórum Monte Verde/Camanducaia

Câmara Municipal de Camanducaia está sem mesa diretora.


A Câmara Municipal de Camanducaia está sem mesa diretora desde a última sessão ordinária realizada em dezembro de 2006. Nesta sessão foi realizada votação para implantação do novo regimento e este novo regimento determinava que a eleição para mesa diretora deveria ter a votação para os cargos da mesa separadamente, ou seja, eleição para Presidente, Vice-Presidente e secretário; diferente do regimento antigo que determinava a eleição por chapas. Por insistência do Vereador Juninho que pleiteava o cargo de Presidente o novo regimento foi aprovado e, então, realizado eleição por cargos separados. Acontece que só apareceram três inscrições para o cargo de Presidente ao qual o Vereador Juninho obteve êxito. Não apareceu candidato a Vice-Presidente e nem a Secretário. Assim a Câmara Municipal de Camanducaia só tem Presidente. Não tem vice, não tem secretário e nem tampouco segundo secretário.
Parece que ninguém quer assumir outros cargos, com exceção do cargo de Secretário pelo vereador Gilmar. A oposição não quer nem ouvir falar de participar da mesa com receio de que seu nome fique atrelado ao Prefeito já que o Presidente eleito é do mesmo partido que o Prefeito e a atual administração anda mal das pernas.
O jeito vai ser pedir para o vereador Argemiro, que abraçou a atual administração a ponto de trocar de partido, assumir a Vice-Presidência e torcer para que o Presidente não falte em nenhuma sessão. A única opção para segundo secretário é o outro voto do vereador Juninho, ou seja, o vereador Pedro Bentinho.

 

Clique aqui e veja as mensagens anteriores deste Fórum

1) Se você se sentir prejudicado com qualquer notícia aqui divulgada ou no jornal impresso VOZ DA TERRA e quiser se utilizar do direito de resposta, favor enviar email para:
vtmv@monteverdemg.com.br,
que a sua opinião será divulgada com o mesmo destaque.
2) O coordenador não repassa textos, que contenham ataques ou críticas pessoais. A discussão é para encontrar solução para os nossos problemas.

Primeira página de Voz da Terra - Monte Verde-MG

Participe e/ou fale com o coordenador deste Fórum (por email)

Participe ou fale Conosco de qualquer computador

(Não esquecer de escreve o nome completo e a cidade de onde envia o email)

 

“Se tivesse que decidir se devemos ter governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último” . Thomas Jefferson, (1743 - 1826), estadista e ex-presidente dos EUA).

Clique aqui para ver mais pensamentos e máximas sobre liberdade de imprensa

 

FÓRUM DE IMPRENSA, mensagens por email

Escolha o assunto: leia e participe enviando sua mensagem. Não importa sua profissão, grau de instrução, nacionalidade, etc.

Coordenador: Egydio Coelho da Silva

(Em elaboração iniciada em 05-01-2001)

Ultima alteração: 22-09-2005

Acesso à informação  - leis, que permitam

Jornalismo regional

Auto-censura  

Jornalismo virtual

Censura da Justiça Eleitoral

Lei de imprensa - projeto em discussão

Censura do jornalista pela empresa

Leis da mordaça

Censura do Judiciário

Censura por ongs moralistas

 Menor criminoso - proibição de publicar nome 

Crime pela intenção de difamar, caluniar

Monopólio da imprensa

Conselhos regionais de jornalismo

Pensamentos e máximas sobre liberdade de imprensa

Denuncismo e instiuições

Político dono de veículo de comunicação

Diploma de jornalista

Processos contra Voz da Terra-Assis-SP

Entidades representativas de jornais e jornalistas

Propaganda subliminal

Falta de ética entre as empresas jornalísticas

Seqüestro e omissão

Fórum de Imprensa, vale a pena?

Sigilo da fonte-direito constitucional

Imagem – danos morais, direito à informação

Tiragem dos  jornais

Imunidade tributária dos jornais

Veja também:

Indenização imoral por dano moral

Fórum dos jornais de bairro de S. Paulo

Jornalismo "chapa branca"

Todas as mensagens do Fórum de imprensa

Documento sem título
LOGIN
Usuário:
Senha:
Documento sem título
TEMPO
Documento sem título
COTAÇÕES

Documento sem título
PARCEIROS
© Copyright 2003 Jornal Voz da Terra Monte Verde-MG ® - Todos os direitos reservados