VOZ DA TERRA

jornal impresso e virtual de Monte Verde-Minas Gerais-Brasil

Diretor: Egydio Coelho da Silva

TURISMO: notícias e fórum: de novembro de 1.998 a janeiro de 2004

*Página inicial

Volta ao índice por assunto antigo

VOZ DA TERRA – NOVEMBRO - 1.998

 

Governador eleito Itamar Franco quer

desenvolver o turismo no Estado

 Itamar Franco, ao debater seu plano de Governo, na véspera das eleições na Associação Comercial de Minas Gerais, afirmou que o turismo será  prioridade no seu governo para geração de emprego e renda.

 

Explicou que o turismo não necessita de grandes investimentos. Citou o forte potencial turístico de Minas, que ainda não foi devidamente explorado. “É a indústria em ascensão no mundo”, enfatizou.

Quanto à educação, criticou a ausência do Estado na pré-escola, uma vez que muitos municípios não têm como  arcar com  essa responsabilidade. Itamar acrescentou que há necessidade de humanismo no ensino mineiro.

Sanear as finanças do Estado é a preocupação inicial de Itamar.

Lamentou que Minas não soube negociar a rolagem de sua dívida interna junto ao Governo Federal.  Mostrou-se preocupado com o atraso de pagamento aos servidores e fornecedores do Estado. 

“O quadro é sério, se não se equilibrar as finanças, é quase impossível administrar”, finalizou.  

 

 VOZ DA TERRA – JUNHO de 1.999

  

 

Tiro o chapéu

 

Para todos os que colaboraram para que Monte Verde se fizesse presente na Feira do Turismo no Ibirapuera em São Paulo.

 

04-02-00

 Texto do debate, coordenado por Walter Monacci  em Monte Verde

De: Rúbens Mungioli

Para: Debate

Aproveito o ensejo para transcrever a resposta do Executivo a respeito de indicação que enviei no ano passado e que "Solicitava que fosse reservado o valor de R$15.000,00 para pagamento de

despesas na Feira de Turismo"

 

Resposta do Prefeito:

Ofício : 0003/2000

Tem este o objetivo de, em resposta ao requerimento do nobre Vereador Rubens Mungioli, quanto ao destino da verba da dotação orçamentária - 08.65.000 - Promoção do Turismo, informar-lhe o seguinte: o valor e forma de pagamento está sendo discutido com a Sociedade Amigos de Monte Verde, através de sua Presidente Sra. Izildinha Antonelli.

NOVEMBRO DE 2.000  

Texto do debate, coordenado por Walter Monacci  em Monte Verde

DE: SR. EGYDIO COELHO DA SILVA

Walter:

Recebi o email abaixo, os quais acho importante que deva ser retransmitido a todos os colegas do debate em Monte Verde.

Grato.

Egydio

NOVEMBRO DE 2.000  

Nome: Maysa Roizman
Cidade: Rio de Janeiro-RJ
Sou proprietária de um terreno em Monte Verde na Rua Araucária, parte do lote 14. Desejo vendê-lo, dado que morando no Rio a distância ficou muito grande de M.V. 

Gostaria de saber como anda o turismo aí, se existe procura por imóveis e em que estado se encontra a estrada de Camanducaia para Monte Verde. Pelo que li no seu noticiário me parece que continua uma indefinição com relação à vocação de M.V. 

Se a cidade não entrar num acordo com relação ao que deseja "ser" (um lugar calmo, preservado, com um tipo de turista que não agride o meio ambiente ou um lugar de rodeios, enduros e outros modismos que em geral atraem um turista que traz "seu próprio frango com farofa de casa", gasta pouco e atrapalha a paz de quem foge de barulho e confusão). 

Conheçam Cabo Frio - a cidade recebe milhares de Mineiros por ano. Ninguém gasta um centavo, lotam pequenos apartamentos de temporada com 20 a 30 pessoas, consomem água, luz e serviços por que não pagam, fazem muito barulho, deixam um montão de lixo e se vão. 

Não acho que esta é a cara de M.V. Se a cidade tentasse fazer uns eventos culturais de bom nível (festival de teatro, música popular ou clássica, festival de artezanato etc) talvez pudesse testar se consegue atrair turistas que iriam para Campos do Jordão mas acham a cidade exageradamente cara e presunçosa.
Espero poder dialogar mais com vocês.

VOZ DA TERRA EM 16-01-2.001

MEU PONTO DE VISTA

* Francisco Petersen

Ouvindo pessoas com mais vivencia no Distrito, chego a conclusão que a última administração municipal foi a mais desastrosa e ineficiente no trato para com os anseios e necessidade de Monte Verde, desde a sua fundação.

Nada, absolutamente nada, foi concluído dos projetos idealizados durante a campanha eleitoral ou das propostas apresentadas durante a vigência da citada gestão, pelo legislativo e pela administração distrital (esta, desprestigiada e como tal, efêmera), bem domo, das proposições encaminhadas pelas associações representativas do comércio local e da comunidade.

Fomos tratados como párias, somente lembrados por ocasião do recolhimento de tributos ou nos momentos que antecediam as eleições, apesar da nossa importância no contexto municipal, importância esta, jamais admitida e respeitada pelas pseudos castas, arrogantes e retrógradas, impávidas em seus pedestais de vaidade e egoísmo, aquarteladas na sede da comarca, à qual, por sua vez, dependente de nós e que não se sustenta, por si só, sobre seus próprios pés.

Não é de estranhar, portanto, a resposta dada pelos eleitores de Monte Verde aos algozes, por ocasião do último pleito, uma vez que continuamos clamando, somente, -por mais realizações e menos fuxicos políticos, os quais, via de regra, acenam com promessas vãs e enganosas.

No meu entender, o que devemos exigir é respeito e consideração, convidados à mesa de reuniões, de forma augusta, quando das decisões que influem os destinos municipais e que nos concerne.

E o que nos concerne? 

Sem dúvida é a atuação da administração municipal no sentido de libertar Monte Verde da estagnação crônica que a envolve por falta de estruturação básica (esta, de responsabilidade governamental) possibilitando, de forma definitiva, o desenvolvimento turístico; predestinação natural baseada nas suas excelentes condições climáticas e ecológicas.

Já nos foi dito pelo Sr. Prefeito (recém empossado), através da entrevista concedida à Voz da Terra, em dezembro intimo, das medidas que pretende adotar de imediato, tais como: melhoria da estrada e das ruas, lixo e animais soltos. Estas providências, apesar de necessárias e urgentes, me parecem dispersas, deixando de seguir um programa de metas previamente estudadas. Mas, enfim, já é alguma coisa positiva e merece nosso aplauso.

O referido senhor, em aditamento, antevê um primeiro ano de dificuldades financeiras, mormente pelo fato de não ter tido acesso prévio às contas passadas e desconhecer a situação real deixada pela administração anterior.

Seguindo um raciocínio lógico, chegamos a conclusão, queiramos ou não, de que um desenvolvimento turístico sustentado é, ainda uma quimera; pois, temos consciência de que o governo municipal não tem recursos, capacidade e conhecimento para tocar, sozinho, um projeto desta magnitude.

Lembro, todavia, de que, durante o ano de 1998, o município de Camanducaia foi agraciado com o Selo de Município Prioritário para o Desenvolvimento do Turismo. 

A distinção, em termos práticos, pouco significou, pois, continuamos praticando o turismo de forma primária, levado somente pelo setor privado, visto que o governo esteve ausente, sobretudo pela falta de uma Comissão de Turismo atuante, formada por pessoas que, realmente, entendessem do assunto e pudessem assessorar, de forma eficiente, a administração municipal.

A citada distinção, tanto quanto eu saiba, nos faculta benesses e incentivos ante a aprovação por parte da Embratur, de um plano piloto exeqüível com as nossas condições atuais e projeções futuras, dentro da coerência e do bom senso.

Vejo aí a salvação do nosso Distrito, mediante a mobilização de toda comunidade engajando-a numa ação conjunta com o governo municipal, assessorando-o e em parceria, desenvolvendo na pratica os projetos aprovados. Parece utopia? Asseguro que não!

O jornal "O Estado de São Paulo", na sua edição de 25 de dezembro do ano findo apresentou, em página inteira, matérias concernentes às novas tendências do turismo interno, o qual apresentou nos últimos 2 anos, aumento surpreendente e altamente promissor, do qual não tivemos conhecimento nem tão pouco, qualquer proveito.

O professor Alvin Toffler, autor emérito das obras "O Choque do Futuro e, A Terceira Onda", em entrevista recente voltou a vaticinar que o Século 21 deverá apresentar desenvolvimento notável nas áreas de prestação de serviços, em particular daquelas voltadas para o turismo, levando em conta os fatores que se seguem:

a) aumento da média de vida dá população e por conseguinte, consolidação do turismo para a terceira idade. Alias, neste particular, o Instituto MVC - Estratégia e Humanismo, em seu boletim Ameaças e Tendências, declara que em 2.000 a disponibilidade mensal (poder de compra), para a população brasileira com mais de 50 anos, foi de US$ 3,,9 bilhões (10,2 milhões de pessoas).

Para este início de século, a projeção é de USS 5,7 bilhões, com 14,7 milhões de pessoas.

b) diminuição das jornadas de trabalho na indústria mundial e o conseqüente tempo ocioso do operariado.

0) facilidade de deslocamento e preços mais acessíveis de transpor te, acomodações e pacotes turísticos.

d) o aumento do turismo ecológico, com uma estimativa em 60 milhões de professores e estudantes, em todo mundo, como o potencial de visitantes interessados em pesquisas científicas e ambientais, sem contar com os 6 milhões de americanos ligados a clubes de observadores da fauna e da flora.

Desenvolvendo pequeno exercício mental, chegamos a conclusão de que a nossa comunidade, como um todo, necessita rever conceitos e não me parece lógico, nem tão pouco coerente, assumirmos atitude apática frente à realidade inquestionável, esperando por soluções advindas do poder público o de ações milagrosas do altíssimo.

Gostaria de lembrar que todos parâmetros da nossa economia, no momento, são favoráveis ao investimento estrangeiro, o qual, como sabemos, quando presente, se faz implacável.

Assim sendo, não e de todo descabido antever a presença futura de um mega empreendimento da estatura dos grandes grupos hoteleiros no nosso Distrito, fazendo com que o nosso frágil, elementar e incipiente comercio turístico de desvaneça destruindo, também, a nossa identidade interiorana que tanto fascina o turista que nos visita.

Não acredito em sucesso comunitário sem o esforço conjunto da força tríplice: empresariado, governo e povo.

Cabe a nos as decisões e diretrizes a seguir, antes que algum aventureiro irresponsável ou investidor predador as tome, pois, os grandes latifundiários não hesitarão em negociar vastas áreas, amealhando lucros de vulto, sem a preocupação de preservar os interesses maiores da nossa comunidade.

Quem viver, Vera!...

* Francisco Petersen é aeronauta aposentado, bacharel em administração e ex-administrador distrital de Monte Verde.

 

VOZ DA TERRA EM 16-03-2.001

Repórter: Suely Silva - Redação: VOZ DA TERRA

Sul de Minas se une para trabalhar pelo desenvolvimento turístico regional

Circuito Turístico Serras Verdes do Sul de Minas

Foi realizado no dia 11 de março no Hotel Ninho do Falcão, às 16h30, uma reunião para tratar e esclarecer os empresários e hoteleiros de Monte Verde, sobre o Circuito Turístico da região que foi idealizado pelo Secretário de Turismo do Estado de Minas Gerais.

A reunião foi presidida pelo representante do circuito de Monte Verde, Dante Bachi Junior, que propôs votação para escolha do nome do circuito.

Os nomes em votação foram os seguintes: Serra de Minas, Serras Verdes do Sul de Minas, Serras Verdes das Gerais. Apesar da polêmica e descrença de alguns participantes em relação ao circuito Turístico, o nome mais votado foi Serras Verdes do Sul de Minas.

A próxima reunião será em Cambuí, dia 20 de Março, às 14 horas no Clube de Campo Guadalajara, onde todos os interessados deverão participar.

O que é o circuito Turístico?

É um destino turístico composto por municípios de uma mesma região, que possuem afinidades para exploração da atividade turística.

Quais serão os benefícios deste circuito?

-Aumento da permanência do turista da região.

-Viabilização dos esforços para promover o desenvolvimento turístico regional.

-Preservação dos patrimônios culturais e naturais.

-Através do desenvolvimento turístico ordenado da região, melhorar a qualidade de vida do munícipe e o atendimento ao turista.

Quem administra o circuito?

Uma entidade sem fins lucrativos com autonomia administrativa e financeira, regida por um estatuto, membros da sociedade civil e Poder Público.

Quem pode participar?

Pode e deve participar cidadãos que queiram contribuir para o desenvolvimento turístico do seu município, bem como comerciantes, empresários, empreendedores e proprietários de áreas de potencial turístico da região.

Como participar?

Procurando o representante do Circuito Turístico Serras Verdes do Sul de Minas, em sua cidade.

Conheça os representantes da região e os municípios que estarão dentro do circuito:

Bom Repouso-Elaine de Fátima Rezende (35) 3461-1224

Camanducaia- Taylor A. Rodrigues 3433-1949

Cambuí- Jayme de Almeida- 3431- 1666

Conceição dos Ouros- Aguinaldo A. Divino- 3656-1222

Extrema- Secr. de Turismo- Djalma 3435-3711

Gonçalves- Regina V. De Paula- 3654-1222

Itapeva- Dep.de Turismo- Carlos- 3434-1354

MONTE VERDE- Dante Bachi Junior- 3438-1323

Munhoz- Juraci Muniz Bueno- 3466-1221

Sapucaí Mirim- Antonio Carlos Barbosa- 3437-1177

Tocos do Mogi- Maria B.R. Da Costa 3423-3383

Fonte: Dante Bachi Junior  

VOZ DA TERRA EM 16-03-2.001


I Encontro para o Desenvolvimento Turístico do
 Sul de Minas será dia 25 de março


 Recebemos de Dante Bachi Junior (Hotel Ninho do Falcão) cópia do seguinte ofécio, comunicando a mudança da dato do Encontro de
OF/SETUR/DPD/Nº007/2001
Belo Horizonte, 13 de março de 2001.
Prezado(a) Parceiro(a),
Tendo em vista a impossibilidade da presença do Ministro de Esportes e
 Turismo, Carlos Melles, no I Encontro para o Desenvolvimento Turístico do
 Sul de Minas, que aconteceria em Caxambu no dia 16 de março/2001, vimos
informar a V. Sa. que o evento foi adiado para 25 de março - domingo,
segundo programação anexa.
Desculpamo-nos por eventuais transtornos, certos de poder contar com sua
valiosa presença.
Atenciosamente,
JAÍSA GONTIJO BOLSON
 Diretora de Projetos de Descentralização
«Tratamento»
«Titular»
«Órgão»
CAPITAL - MG
PROGRAMAÇÃO / DIA 25/03/2001CAXAMBU - MG
HORA ASSUNTO 09:00 Abertura Oficial: Secretário de Estado do Turismo - Manoel Costa
Secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas -  Maurício Guedes
Ministro do Esporte e Turismo - Carlos Melles

Vice-Governador - Newton Cardoso
10:00 - Pausa para o café
10:30 - Apresentação do Resultado das Oficinas: Lavras, São Lourenço,
Alfenas,
Pouso Alegre, Poços de Caldas e São Sebastião do Paraíso.
12:30 - Almoço
 14:30 - Mesa: Secretaria de Estado do Trabalho e da Assistência Social da
 Criança e do Adolescente - Maria Lúcia CardosoØ Secretaria de Estado do
Meio Ambiente - Paulino CíceroØ SEBRAE, SENAC, DETEL, COPASA, Banco do Brasil
16:30 - Pausa para o Café
 17:00 - Entrega oficial ao Ministro do Esporte e Turismo - Carlos Melles e
ao Governador do Estado de Minas Gerais - Itamar Franco, do "Plano de
 Desenvolvimento Turístico para o Sul de Minas Gerais"
 17:30 Exposição do Ministro do Esporte e Turismo - Carlos Melles e do
 Governador de Minas Gerais - Itamar Franco
 18:00 Encerramento
 19:00 Coquetel Sul Mineiro

VOZ DA TERRA EM 25 DE MARÇO DE 2.001

 

Municípios Sul Mineiros se reúnem em Cambuí

Suely Silva (Mtb 676/AL), especial para VOZ DA  TERRA on line

 

Representantes dos 14 municípios do Sul de Minas se reuniram no dia 20 de março, no Guadalajara Clube de Campo de Cambuí, para tratar de assuntos relativos ao projeto do Governo Estadual, Circuito Turístico Serras Verdes do Sul de Minas, presidida pelo Secretário de Turismo de Extrema Djalma e Relações Públicas da Prefeitura de Cambuí, Jayme de Almeida.

Monte Verde esteve presente no encontro através do seu representante Dante B. Júnior e alguns comerciantes, hoteleiros e moradores interessados em contribuir com o desenvolvimento turístico da região. 

Dante falou sobre a experiência, o potencial turístico de Monte Verde, e sua tradição, já que é a região mais explorada pelos turistas e o local mais freqüentado durante o ano todo. 

A hoteleira, Maria Célia, também explicou aos presentes a sua experiência em feiras de turismo nos grandes centros. 

“Nós sentimos que há muita procura por turismo em nossa região” salientou Maria Célia.

Também foram discutidos no encontro ítens como a cultura da região, a preservação dos patrimônios e do meio ambiente e o mais importante, na união da comunidade para o melhor desenvolvimento do potencial turístico de cada região. 

Durante o encontro, os interessados em participar e saber mais sobre o circuito turístico puderam se cadastrar para receberem todas as informações e estarem a frente dos acontecimentos na região.

Um Coffee Break foi oferecido pelos moradores de Cambuí, onde estavam todas as delícias da culinária regional. E também foram expostos os artesanatos da região.

No dia cinco de Abril é a vez de Monte Verde mostrar sua hospitalidade e dar uma demonstração do carinho com que o turista é recebido pelos moradores e empresários. 

O próximo evento será na Chácara Adélia, às 14 horas, onde Monte Verde vai ser o palco de mais um encontro dos 14 municípios engajados no Circuito Serras Verdes do Sul de Minas. 

Todos devem participar.

 

VOZ DA TERRA – 31 DE MARÇO DE  2.001

Agência de desenvolvimento turístico regional se reúne em Monte Verde

 Dante Bachi distribuiu nota pela internet, informando que a reunião acontecerá dia cinco de abril às 14h00.

Nesta reunião se definirá a data de assinatura do Estatuto, do Regimento Interno, bem como os valores das mensalidades e adesão dos membros que comporão o circuito. 

Também se tratará da participação de Monte Verde na Feira Hotel Travel Show, fazendo parte do estande da Secretaria do Turismo de Minas Gerais.

 

Na ocasião, "será aprovado o Estatuto da entidade que terá por base as seguintes normas e direitos de seus membros:

(a) votar e ser votado para os cargos eletivos da administração desde·que estejam em dia com seus deveres; 

b) comparecer através de seus representantes, às assembléias gerais e tomar parte de todas as discussões.
c) zelar pela fiel consecução das finalidades da agência, cumprindo e fazendo cumprir o disposto no  estatuto.
d) promover e divulgar os objetivos e finalidades da agência.
e) pagar em dia as contribuições a que se comprometem.
f)  o descumprimento das obrigações prevista no  estatuto impedirá o direito de voto e poderá acarretar penas de advertência, suspensão ou exclusão.
g) são as seguintes categorias de membros participantes:
1) membros fundadores - pessoas físicas ou jurídicas que ora assinam o estatuto, e que tenham sede ou residam  em uma das cidades que compõem o circuito.
2) membros mantenedores - são órgãos não governamentais, entidades, pessoas físicas e jurídicas cujas atividades se  relacionem com os objetivos
da agência, que venham a fazer parte como membro 60 dias após assinatura do estatuto.
3) membros beneméritos - em número de 15 são os municípios que participam da Agência de Desenvolvimento Regional do Circuito Turístico·Serras Verde de Minas, que são:
Bom Repouso, Camanducaia (Monte Verde), Cambuí, Conceição dos Ouros, Consolação, Extrema, Gonçalves, Itapeva,   Munhoz, Sapucaí Mirim, Senador Amaral e Tocos do Moji, Córrego do Bom Jesus, Estiva e Toledo.
Parágrafo único: Os membros beneméritos pagarão mensalidade estipulada pelo conselho administrativo conforme regimento interno.
 Os municípios que compõem o circuito, que vierem a ingressar na agência após 60 (sessenta) dias de assinatura do presente estatuto, efetuarão doação atualizada conforme regimento interno.
(Transcrito do Estatuto de desenvolvimento Regional do Circuito Serras Verdes do Sul de Minas)."

 

VOZ DA TERRA – 05 DE ABRIL DE  2.001

“Descubra Minas":  plano de infra-estrutura turística regional e participativa do Sul de Minas

Colaboração de  Walderez Jensen

Monte Verde se faz presente no encontro sobre turismo em Caxambu 

Uma caravana foi organizada pelo representante do Circuito em Monte Verde, Dante Bachi Junior. Fomos num grupo de 10 pessoas, que ainda acreditam num futuro próspero e harmonioso para nossa cidade. 

Abrindo a programação falou o Ministro de Esporte e Turismo, Carlos Melles, sobre o turismo que gera empregos, melhora as condições de vida da comunidade e fatura milhões.

O Presidente da Embratur, Caio Luis Carvalho, falou sobre o sonho mineiro, que tem de ser coletivo e participativo, para que toda comunidade perceba que não é só convidar o turista para nossa cidade. 

O turista de hoje quer mais, falou o presidente da Embratur. “Ele quer sentir, participar de suas tradições e folclore”. Ele também enfatizou que tem que ter arte para receber o turista, com profissionalismo e muito carinho. 

O mais importante no meu ponto de vista é promover os funcionários proporcionando-os cursos informatizantes, onde poderão atender melhor seus turistas, trazendo-os de volta e obtendo lucros para a cidade, ou seja, lucrará o proprietário e o seu funcionário. Esse foi um ponto que eu achei de extrema importância.

É bom refletirmos sempre: “ Tudo que é importante para nós deve ter continuidade, se o sonho não aconteceu, não mude o sonho , mude a estratégia( pode ser que ela esteja errada). As metas existem para que sejam atingidas não para serem choramingadas. 

Só os perdedores reclamam de tudo. Vamos elevar nossos padrões, olhar para o alto. Quem olha para trás acaba batendo com a cabeça no muro. Vamos aprender com aqueles que estão obtendo sucesso. Se a vida é um jogo... vamos jogar uns com os outros e não uns contra os outros, lembrando, que se cada um rema para um lado o barco fica no mesmo lugar. 

Vamos ganhar juntos essa luta! Estamos na era da coletividade e não do individualismo. O sucesso só nos faz bem quando é partilhado com os outros “

Todos nós dessa querida Monte Verde, vamos vibrar numa só energia e ela deve de ser positiva. Portanto convidamos a todos que queiram vestir a camisa nova de Monte Verde ( porque ninguém vai vestir por você) . 

Obrigada Walderez Jensen

 

 

VOZ DA TERRA – 09 DE ABRIL DE  2.001

Monte Verde sedia reunião plenária de Serras Verdes do Sul de Minas

Repórter: Suely Silva (Mtb 676/AL).  Redação:VOZ DA  TERRA on line

Após Extrema e Cambuí ter sediado o encontro dos 16 municípios engajados no Circuito Serras Verdes do Sul de Minas, no dia 5 de abril, foi a vez de Monte Verde. 

A reunião aconteceu na chácara Adélia, onde houve a participação de mais de cem pessoas.

A reunião foi presidida pelo representante de Monte Verde, Dante Bachi Junior, o secretário de turismo de Extrema, Djalma, e o representante de Cambuí, Jaime de Almeida e também contou com a ilustre presença do sr. Verner e dona Emília, os fundadores de Monte Verde.

O objetivo da reunião plenária é de incentivar a união dos municípios para o turismo e com isso criar um circuito organizado.

O secretário de turismo de Extrema, Djalma, falou da importância de ser criado uma metodologia de trabalho, para melhor serem direcionadas as verbas do Governo Federal.

Para se ter uma idéia, foi feito um levantamento do número de verbas transferido da Embratur para o Estado nos últimos cinco anos. Em 95, por exemplo, o Governo desembolsou 100 milhões para o turismo, sendo que Minas e São Paulo receberam apenas 25% dessa verba, o restante foi enviado para a região nordeste. Esse índice se repete a cada ano e com isso Minas Gerais acaba ficando para trás. “Precisamos nos organizar melhor para saber pedir verbas, como o Nordeste faz”, disse Dante Bachi.

Também foi abordada a polêmica de Extrema sediar o portal do Sul de Minas. 

“O portal servirá de apoio ao turista e, caso o funcionário esteja desviando o turista ou se beneficiando, ele será punido com a  demissão imediata”, disse Djalma.

A próxima reunião ficou marcada para o dia 9 de maio, que será na cidade de Gonçalves. 

Esta reunião contou com a presença de alguns prefeitos dos 16 municípios sul  mineiros, além de todos se fazerem representar, quando a presença do prefeito não foi possível.

 

VOZ DA TERRA EM 10 DE JUNHO DE 2.001

 Prefeito quer desenvolver o turismo

O prefeito Emydio Moreira Filho disse que pretende se empenhar muito no desenvolvimento turístico do município. Conta que recebeu correspondência da Embratur de Brasília, falando da importância do Programa Nacional de Municipalização do Turismo (PNMT). O ofício destaca também que Camanducaia foi classificado como município turístico, de acordo com a Normativa 417 de 13-12-2.00.

Por isso, o Prefeito já publicou anúncio em jornal regional, convidando os interessados com esepecialidade na área de turismo a enviarem corrículum para posterior estudo.

Emydio acha que o Conselho Municipal de Turismo (COMTUR) deve ser ativado e pediu que os interessados no assunto em Monte Verde o procurem ou ao vereador Rúbens Mungioli para tratar do assunto.

O vereador Rubens Mungioli inclusive divulgou na internet a seguinte mensagem no último dia dois de junho:

“Vamos iniciar a formação do COMTUR - Conselho Municipal de Desenvolvimento do Turismo.

Precisamos conversar com todos os interessados.

Temos que fazer uma reunião para que todos tomem conhecimento da legislação e para que as entidades de classe comecem a pensar nos membros que estarão indicando.

Não tenho o endereço de todos, portanto solicito que vocês nos ajudem a fazer o maior número de convites. 

Favor enviar e-mail sugerindo uma data e horário para a reunião, se possível ainda nesta semana que vem.

rubensmungioli@micropic.com.br 

 

VOZ DA TERRA – 06 DE JULHO DE  2.001

Olá Egydio já enviei as cartas.

Gostaria de perguntar a você e aos outros companheiros hoteleiros de

Monte Verde.

Estamos no Grupo de Trabalho do Circuito Serras Verdes discutindo como será feita a contribuição por parte dos hotéis, pousadas e etc.:

Primeira proposta: Seria cobrado a importância de R$ 1,00 sobre cada diária dos hospedes e repassado o total em reais do mês  equivalente para o Circuito.

Segunda proposta: Seria cobrado no primeiro ano de contrato do associado uma taxa fixa de R$ 3,00 por unidade habitacional e no segundo ano R$ 4,00 e no terceiro ano R$ 5,00, pois no terceiro ano o Circuito Estará a todo vapor.

Por favor de sua opinião e retransmita estas propostas para que os companheiros opinem também, obrigado.

 

CIRCUITO TURÍSTICO SERRAS VERDES

Cidades  integrantes do Circuito:

Bom Repouso,  Camanducaia, Conceição dos Ouros, Consolação, Córrego do Bom Jesus, Estiva, Extrema, , Gonçalves, Itapeva, Monte Verde, Munhóz, Paraisópolis, Sapucaí Mirim, Senador Amaral, Tocos do Mogi, Toledo.

 Ofício n.º 02

Assunto: Ações práticas e Participação.

Exmo. Sr. Presidente do Legislativo Municipal:

Sr. Rubens Mungioli

                            O Grupo de Trabalho do Circuito Turístico Serras Verdes, tem a honra de comunicar à Vossa Excelência, que os trabalhos relacionados ao Turismo em nossa região continuam em  pleno andamento, com reuniões quinzenais do Grupo de Trabalho, Plenárias mensais, realizadas de forma itinerante, percorrendo todas as cidades que compõe o Circuito, com o intuito de implantar de forma definitiva e sólida, o Turismo em nossa região.

                            Estamos em contato permanente e ostensivo com a Secretaria de Turismo de Minas Gerais e demais parceiros ligados na área do Turismo, para que  o Circuito Turístico Serras Verdes se torne cada vez mais sólido e atuante.

                            Faz-se necessário a presença do Legislativo Municipal nas Plenárias,  acompanhando nossos trabalhos, com  divulgação a  nível municipal.

                            Várias ações práticas já estão sendo adotadas, e necessitamos da cooperação dos municípios para que as mesmas se realizem dentro de prazos determinados pela Secretaria de Turismo de Minas Gerais,  e por outros Eventos Turísticos.

                            Periodicamente, estaremos enviando aos Municípios, relação dos trabalhos a serem efetuados individualmente, que somados, serão convertidos em benefícios para os municípios integrantes do Circuito Turístico Serras Verdes.

                            Aproveitamos o ensejo, para comunicar à Vossa Excelência, da necessidade do vosso  município apresentar até o dia 03 de Julho, as seguintes ações práticas:

1-    1-     Fotos selecionadas das belezas naturais (matéria prima) e de produtos turísticos, bem como breve Histórico do Município, para elaboração do foulder turístico do Circuito Turístico Serras Verdes, pela Secretaria de Turismo do Estado de Minas Gerais;

2-    2-     Calendário de Eventos do município;

 3-    3-      Relação das estradas de acesso ao município, bem como especificação de pontos estratégicos que necessitam de sinalização, para que seja elaborado um mapeamento da região, com  instalação de placas de sinalização e painéis específicos, dos municípios que compõe o Circuito Turístico Serras Verdes.

 

4-    4-     Número de Leitos disponíveis, para ser enviado à Secretaria de Turismo de Minas Gerais, para organização de um grande evento turístico, a  Feira de Minas, que será realizada em Outubro, na cidade de Extrema, com a participação de todos os Circuitos Turísticos de Minas Gerais, a fim de divulgar os produtos Turísticos de Minas Gerais a todo o Brasil.

Além destas ações práticas, contamos com a colaboração do Legislativo Municipal, para divulgação dos nossos trabalhos, implantação do COMTUR, orientação à comunidade, sobre a necessidade e vantagem do turismo; se possível, com contratação de técnicos da área, demarcação de pontos turísticos, mapeamento do município, contatos com artesões locais, com grupos ligados ao folclore, à cultura, à música, às tradições culinárias mineiras, para que, participem dos trabalhos realizados pelo Circuito Turístico Serras Verdes, e tenham desta forma, seus trabalhos divulgados.

Contando com vossa compreensão e colaboração, aproveitamos a oportunidade para lhe apresentar nossos protestos de elevada estima e consideração.

Atenciosamente.

Grupo de Trabalho do

Circuito Turístico Serras Verdes.  

 

VOZ DA TERRA (impressa) 21 DE AGOSTO DE 2.001 

 

Representante da ACMV no COMTUR

Atendendo a solicitação do prefeito de Camanducaia, Emydio Moreira Filho, conforme email enviado pelo presidente da Câmara Municipal, vereador Rúbens Mungioli, a ACMV – Associação Comercial de Monte Verde indicou o nome de seu associado, Sr. Roberto Sérgio de Lucas, para representar a entidade junto ao COMTUR – Conselho Municipal de Turismo.

Egydio Coelho da Silva, presidente da ACMV, explica que Roberto de Lucas é pessoa bastante competente para exercer a função de membro do COMTUR, porque tem se empenhado em várias questões de interesse de todos. Exemplo, é o trabalho junto aos empresários para em

convênio com a Prefeitura viabilizar a fiscalização de atividades irregulares na Avenida Monte Verde.

Além disso, é advogado e, por essa razão, será muito útil ao COMTUR, pois o Conselho Municipal de Turismo para ser implantado corretamente precisa ter sólida e correta estrutura jurídica.

VOZ DA TERRA  – 27 DE NOVEMBRO DE  2.001

Hamilton de Carvalho

Camanducaia

 

Cuidado: querem cobrar por serviço gratuito

Solicitamos a V.Sas., o maior número possível de divulgação, do quanto segue:

A Prefeitura de Camanducaia-MG, esta fazendo uma parceria com o INSS, que resulta na vinda de um veículo denominado "PREVMÓVEL",  cujo objetivo é atender qualquer consulta referente a Previdência Social,  para os Munícipes, tais como: aposentadoria, aux.doença, aux.natalidade etc.

É importante ressaltar, que este serviço é totalmente gratuito.

Ocorre, que fomos alertados pela Superintendente da Regional de Pouso Alegre-MG, que esta existindo vários atravessadores, inclusive se dizendo do INSS, e cobrando das pessoas que querem se aposentar, o primeiro pagamento, que em algumas vezes chega a um valor alto, por estar acumulado.

Por falta de conhecimento e esclarecimento, algumas pessoas estão assinando procuração com  "AMPLOS" poderes, o que acaba ficando sem nada.

Solicitamos sua divugação, no sentido de alertarem para não pagarem por estes serviços que são totalmente gratuitos e principalmente,  para não assinarem procuração.

Somos gratos pela gentileza

Hamilton de Carvalho, assessor de Gabinete

 

VOZ DA TERRA  – 27 DE NOVEMBRO DE  2.001 

Izael Marcelo de Godoy

Monte Verde

 

Reflexões sobre  Monte Verde.

 

 Quando não há bom atendimento ou qualidade nos serviços o turismo não consegue decolar, até mesmo em localidades com enorme potencial . 

O produto turístico é o composto formado de atrativo turístico, dos serviços turísticos, da infra-estrutura básica e do conjunto de serviços urbanos de apoio ao turismo.

 Peculiaridades da indústria do turismo

O turismo é uma atividade econômica de prestação de serviços que tem nos recursos humanos seu principal elemento. O bom atendimento e a qualidade dos serviços formam os principais fatores de avaliação do produto. Quando não há bom atendimento ou qualidade nos serviços o turismo não consegue decolar, até mesmo em localidades com enorme potencial . O produto turístico é o composto formado de atrativo turístico, dos serviços turísticos, da infra-estrutura básica e do conjunto de serviços urbanos de apoio ao turismo. Suas singularidades o distinguem dos bens industrializados e do comércio e uma das características mais marcantes do produto turístico é a intangibilidade, ou seja, ele é composto de elementos e percepção intangíveis e é sentido pelo cliente como uma experiência. O ato de alugar um apartamento de hotel ou da hospedagem em uma pousada de uma ilha paradisíaca envolve a compra de um serviço. Os serviços, no entanto, são intangíveis, porque não podem ser experimentados com os sentidos.

Pode ser possível tornar o produto turístico um serviço com um posicionamento tangível? Certamente que sim. A recepção de um hotel por exemplo, deve atender com rapidez e eficiência. O fluxo de pessoas deve ser planejado e a música de fundo leve e otimista. Os funcionários mostram agilidade e estão corretamente vestidos, os equipamentos possuem uma aparência moderna e com linhas harmoniosas. Empregados capacitados com um rigoroso programa de treinamento, voltado para o fortalecimento da capacidade de tomar decisões e resolver os problemas dos clientes têm todas as condições de trabalhar com agilidade e eficiência, evitando assim a perda de clientes.

Por ser o produto turístico um bem de consumo abstrato, diferente do produto normal de consumo, como um eletrodoméstico, que se der defeito o consumidor pode trocá-lo, ele é complexo e diferente, pois uma diária paga jamais poderá ser trocada ou devolvida. No turismo acontece uma coincidência espacial e temporal da venda e da prestação do serviço com o seu consumo. Como os serviços turísticos são consumidos no momento da sua utilização, após o consumo não resta mais nada, senão a conta no bolso e a recordação do que foi prestado.

Na realidade esta é a grande diferença, os serviços turísticos só podem ser avaliados após a sua utilização. Os produtos industrializados podem ser estocados, ou seja, se não forem vendidos um dia poderão sê-lo no outro. Isto não ocorre da mesma maneira com os componentes do produto turístico. A capacidade de leitos de um hotel, que não forem vendidos para aquele dia, jamais poderão ser recuperados. Mesmo com todos os esforços despendidos ao aperfeiçoamento da mão-de-obra, os serviços turísticos são prestados ainda de forma irregular. Isso quer dizer que o turista não recebe os diversos serviços conjuntos com a mesma qualidade. Quando o turista viaja a um núcleo receptor ele utiliza alojamento, restaurante, transporte marítimo e rodoviário, táxi, guia , lazer e entretenimento.

A ausência de um deles ou o mau funcionamento, como o tratamento agressivo ou inadequado de um guia turístico, reflete negativamente sobre os demais e, às vezes, até inviabiliza a presença de outros turistas.

Quando a Embratur anuncia que o Brasil se prepara para receber 6,5 milhões de turistas estrangeiros em 2003, saindo da incômoda posição de 29º destino turístico do mundo, com perspectiva de chegar à 27ª posição, será preciso desenvolver uma política que priorize de forma verdadeira a qualidade dos serviços, implementando um programa gigantesco de capacitação e formação da mão-de-obra. De nada adiantam todas as nossas belezas naturais, dos diversos pólos turísticos nacionais, o mar belíssimo, os coqueirais exuberantes, recifes de corais, cachoeiras e serras, a flora e fauna multicolorida, se apesar de tudo isso, das atrações diferenciadas e muitas vezes únicas, não existir uma reciclagem da prestação de serviços, da utilização da mão-de-obra local, da melhoria da qualidade dos empregos, procurando destacar a cultura local e nacional.

Citando Jost Krippendorf, em seu maravilhoso livro, " Sociologia do Turismo", a arquitetura, nas regiões de repouso, deve retomar os elementos de estilo, formas de construção e materiais próprios e recorrer ao artesanato local. As especialidades culinárias e os pratos regionais devem figurar com honra nos cardápios. E isto não exclui algumas pequenas adaptações, que às vezes são necessárias e podem ser realizadas sem maltratar a cozinha tradicional. É preciso reduzir a oferta da cozinha dita internacional. Também é preciso favorecer as bebidas locais tradicionais.

No mercado internacional do turismo, onde todas as ofertas são formuladas da mesma maneira, fortalecer uma singularidade local ou uma característica única constitui um diferencial positivo cada vez mais necessário. Quando se explora as riquezas da própria região, importa-se muito menos do exterior e, assim, é possível conservar e manter uma parcela maior dos lucros na própria região hospedeira. Como conseqüência, cresce o interesse da população pelo turismo em benefício de todos: do habitante local e dos turistas.

Izael Marcelo de Godoy,estudante do curso de graduação  em administração hoteleira da Universidade São Francisco (usf)

 

VOZ DA TERRA  – 08 DE DEZEMBRO DE  2.001

Email recebido

Marco Aurélio Rodrigues Dias

São Lourenço-MG

Prezado Egydio Coelho da Silva, 

Li seu texto na Voz da Terra Monte Verde e quero aqui concordar com o mesmo. Não pode haver desenvolvimento do turismo sem investimento. 

Acho que os políticos mineiros, pelos menos os da área de turismo, têm que lutar politicamente para que a Embratur faça mais investimento em infraestrutura turística no Estado de Minas Gerais. 

Aqui em São Lourenço-MG enfrentamos a queda do turismo de águas e também a falta de verbas para investir no setor de propagandas. 

A mídia é muito importante na exportação dos bens turísticos de nossa cidade. 

Mas é muito cara quando se trata de mídia como, por exemplo Rede Globo e similares.

Marco Aurélio Rodrigues Dias

marco@starweb.com.br

 

 VOZ DA TERRA impressa -  MARÇO/ABRIL DE  2.002

 

Monte Verde receberá o Selo da Secretaria de Turismo

 No Próximo dia 23 de Março de 2002 na cidade de Extrema haverá a entrega do Selo de Cidade com Potencial Turístico por parte da Secretaria de Turismo do Estado de Minas Gerais, às 17 cidades, que compõe o Circuito Serras Verdes do Sul de Minas.

Autoridade: Secretário de Turismo de Minas Gerais Sr. Manoel Costa.

Paralelo ao evento está programado uma feira de artesanato e comidas típicas. 

Haverá barracas de cada cidade e do distrito de Monte Verde, os produtos serão comercializados pelos próprios artesões ao publico visitante, com a previsão de 2000 pessoas.

Também em paralelo, shows típicos de nossa região durante todo o dia.

Abertura da feira, as 10h da manha  do dia 23/03/2002

(barracas decoradas e prontas para atendimento ao publico).

Participe, Monte Verde Precisa de Você!

 

VOZ DA TERRA impressa -  MAIO  DE  2.002

“Monte Verde é o pilar do Circuito Serras Verdes”, afirma Secretário

 No dia 23 de março, o secretário de Turismo de Minas, Manoel Costa, entregou o Selo de Qualificação Turística aos 16 municípios mineiros engajados no Circuito Serras Verdes do Sul de Minas.

O evento aconteceu em Extrema, com exposição de artesanatos, comidas típicas,dança e shows de toda região Sul mineira. Na ocasião, o Secretário também fez a entrega de 16 receptores de satélites, um para cada município, que deverá ser usado pelas escolas públicas ou bibliotecas, podendo captar os sinais da TV Futura,Tv Escola e Educativa.

Camanducaia foi representada pelo vice-prefeito, Chapinha, Rubens Mungioli, presidente da Câmara e Dante Júnior, representante do Circuito em Monte Verde. 

“Em MV já existe uma estrutura consolidada. É obvio que o restante tem potencial e pode ser explorado. A inclusão do município de Camanducaia dentro do circuito vai facilitar a expansão do turismo, não ficando restrito apenas em MV”, disse o vice Chapinha.

O Secretário, Manoel Costa, afirmou em entrevista ao VT: “Monte Verde é o pilar do Circuito Serras Verdes. Vocês foram um sinal determinante para a criação do Circuito Serras Verdes, um exemplo para o Estado.

A intenção do programa de desenvolvimento turístico, criado pelo secretário, é mostrar que Minas tem potencial turístico, não apenas em função das cidades históricas e das águas medicinais, mas também por oferecer bons atrativos para quem aprecia o ecoturismo, o turismo rural, as festas religiosas, culinárias, cachoeiras, serras e tudo que o sul de minas tem de melhor. “Existe uma parcela de turistas, que não nos conhece, não sabe da nossa beleza. Temos que nos organizar. Criar pequenas agências receptivas. A Secretaria está disposta a ajudar, desde que existam meios para comercializar o produto, como hospedagem, por exemplo.

Muitas vezes achamos que a inteligência só existe em Brasília ou BH e não percebemos a potencialidade enorme de pessoas criativas, inteligentes, engenhosas daqui”, finaliza o Secretário.

 

VOZ DA TERRA impressa -  MAIO  DE  2.002

Monte Verde presente com sua arte no Encontro Cultural de Extrema

 Com apoio de alguns artesãos, Monte Verde se fez presente no encontro cultural promovido em Extrema, na ocasião.

Com a organização de Walderez Jansen e Dante Junior.

Um espaço ficou reservado para os artesãos, Bernardo do Ateliê Monte Verde e Denis com suas esculturas em madeiras. Contou também com exposição do Herbário Paineira Mãe de Camanducaia, expondo produtos naturais. Os meninos do Ateliê Rainha da Paz e a culinária que ficou por conta de Carlos e Maria Célia, que venderam saborosas panquecas durante o evento.

É importante lembrar que todas as prefeituras dos municípios presentes ofereceram as barracas para os artesãos, apenas Camanducaia, e MV tiveram que pagar do próprio bolso para garantir a presença no evento.

S.S

VOZ DA TERRA impressa -  MAIO  DE  2.002

 

Miss Turismo 2002 de MV

 Celebrando a Fé em Altas Montanhas, este é o tema da festa organizada pela comunidade Católica de Monte Verde,sob a coordenação do Pe.José Franco, que terá início no dia 23 de maio com a chegada da padroeira do Brasil Nossa Senhora Aparecida, vinda de Aparecida do Norte, com missa,procissão e adoração a Nossa  Senhora A partir do dia 25 de maio terá início à quermesse com uma animada festa no pátio da igreja com muitas barracas, bingo, doces, salgados e música. Durante a festa, que se estenderá até a temporada de julho será eleita a Rainha da Temporada 2002.Cada candidata irá tomar conta de uma barraca, arrecadando fundos com a venda de doces, salgados,bingos que contarão pontos. Cada voto será convertido em um real.A Rainha será aquela que arrecadar mais durante toda festa. No dia 27 de julho será anunciada a todos a vencedora e no dia seguinte a rainha será coroada a Miss do Turismo, devendo representar MV até o próximo ano. Participem da grande festa e escolham a rainha.

 

VOZ DA TERRA virtual em 27 DE MAIO DE  2.002 

 

Câmara promove cerimônia para entrega do Selo Turístico aos empresários de MV

No dia 26 de maio, a Câmara Municipal de Camanducaia, realizou na Chácara Adélia uma cerimônia de outorga da cópia fiel do Selo de Desenvolvimento Turístico do Estado, aos empresários e hoteleiro de Monte Verde. O evento contou com a presença do Secretário de Turismo de Minas Gerais, Manoel Costa, de autoridades locais e representantes do Circuito Serras Verdes. 

O vice-prefeito Ademilson (Chapinha) esteve presente representando o poder executivo.

A cerimônia foi presidia pelo presidente da Câmara Rubens Mungioli, que prestou uma homenagem ao fundador do distrito, Sr. Verner Grinberg. 

“Verner Grinberg, na verdade, é um anarquista. Um anarquista que toda cidade e todo país gostaria de ter. Ainda hoje, Verner Grinberg pode ser visto tampando um buraco na rua, doando um terreno, incentivando um novo negócio em Monte Verde, oferecendo apoio ou uma residência para um médico ou soldado. Ele não pergunta ao prefeito se ele pode arrumar uma rua, desentupir uma boca de lobo, ele vai e faz. Ele não pergunta ao secretário de obras se pode tampar o buraco da estrada, ele vai e faz. Aliás, ele não perguntou se podia fazer a antiga estrada de MV, ou a antiga rede de água e energia elétrica, para MV chegar o que é hoje. Que Deus nos dê um décimo da sua energia, da sua vontade, da sua bondade e continue nos abençoando com sua existência.” Assim foi o discurso de Rubens em nome de toda câmara em homenagem ao senhor Verner Grinberg.

Após o discurso foi entregue uma condecoração ao representante do Sr. Verner, pelos beneméritos trabalhos prestados a cidade. (Por problemas de saúde da esposa, dona Emilia, o Sr. Verner teve que se ausentar mais cedo da cerimônia).

Secretário envergonhado

O Secretário de Turismo do Estado, Manoel Costa, falou sobre o avanço do turismo da região e da vergonha que sentiu ao passar pela estrada que liga Camanducaia até MV. 

“A melhoria do acesso é de responsabilidade do Estado, por isso fiquei envergonhado em saber que nada está sendo feito. Mas o Distrito e suas estruturas básicas é responsabilidade do município”, disse Manoel Costa.

Manoel Costa apresentou uma proposta aos moradores presentes na cerimônia. Criar um conselho através das três associações existentes. 

Sobre a emancipação do Distrio, que depende de alteração na Constituição Federal, Manoel Costa acha que sua discussão deve ser adiada para o futuro, mas sugere que " através da união da câmara e das associações enviaremos uma minuta ao governo do Estado para que ainda nesse final de mandato eles possam prestar mais atenção à estrada e com isso dar continuidade ao turismo de MV”.

O presidente do Circuito Serras Verde e Secretário de Turismo de Extrema, Djalma Rocha, falou sobre a interação dos circuitos, mas lamentou a falta de representatividade de

Monte Verde. “Nós precisamos de MV assim como MV precisa do circuito. Que a gente consiga ter uma representatividade maior em MV nas reuniões”, disse Djalma.

Após a cerimônia, houve um coquetel para os convidados num total de oitenta pessoas. Os empresários e hoteleiros que participaram do evento, receberam a cópia fiel do Selo Turístico pelos trabalhos prestados ao turismo de MV. 

Suely Silva

 

VOZ DA TERRA em 28 DE MAIO DE  2.002 (fee)

 

Email recebido 

De: Dante Bacchi

Cidade: Monte Verde
Olá Egydio

A melhor maneira de entrar em contato com a Secretario de Turismo e a SETUR via E-mail seria através do fórum no site:

www.descubraminas.com.br

Click no Fórum e seguindo as instruções e registre sua mensagem, pois freqüentemente o próprio secretario verifica as mensagens. Lembrando também do fórum do Circuito Serras Verdes no mesmo site na pagina de Circuitos de Minas Gerais

através do Circuito é que ocorre a interação com a SETUR, Lembretes já somos 50 Circuitos Turísticos em Minas Gerais e o Sr. Djalma Rocha é o Presidente do Circuito Serras Verdes e Sra. Lucineia Aparecida Secretaria Executiva.

Olá Egydio

Forma de deixar mensagem no fórum do www.descubraminas.com.br

Entre no Site: www.descubraminas.com.br

Click           : Fórum

Click           : Circuitos Turísticos.

O Sr. Secretario tem o costume de ler as mensagens.

Lembrete: Atual Secretario do Turismo de Minas Gerais  Sr. Antônio Henrique Borges o Sr. Secretario Manoel Costa se afastou para candidatar-se a Dep. Federal, mas é o Presidente de Honra dos Circuitos.

O Sr. Antônio Henrique conhece bem nosso distrito pois foi o responsável na época pela oficina realizada no Hotel Messener.Hof, em meados da gestão do Prefeito Mazinho.

Para entrar no fórum do Circuito Serras Verdes do Sul de Minas, seque o mesmo procedimento e click em cima do nome do circuito.

 

VOZ DA TERRA virtual em 28 DE MAIO DE  2.002 (fee) 

 

Texto enviado por Dante Bacchi para o Fórum da Secretaria de Turismo

 

Monte Verde Temporada de Inverno 2002 de 23 de Maio a 28 de Julho. Objetivo: Arrecadar fundos para as obras da Paroquia de Sâo Francisco em Monte Verde. Atrativo Turistico: Quermesse Tipica e folclorica Mineira com barracas de comidas tipicas e apresentação de grupos folcloricos das cidades do Circuito Serras Verdes, abrindo com isso uma vitrine para estes grupos mostrarem seu valor e resgatarem nossas tradições. Eleição da Embaixatriz do Turismo de Monte Verde. A qual representara Monte Verde em eventos turisticos. Forma de apuração da vencedora: Para cada R$ 1,00 entregue ao final da festa a paroquia, equivale um voto, então a mais votada será a Embaixatriz.

 

VOZ DA TERRA em 10 DE JULHO DE  2.002 

Email recebido 

De: Vinicius Márcio Horta

Coordenador de Projetos - SENAC MG

Cidade: Belo Horizonte-MG

 

 Prezados Senhores,

 Agradecendo as notícias, informamos-lhes que o município de Camanducaia e, sobretudo, o Distrito de Monte Verde já vêm sendo trabalhados no Portal Descubraminas. Favor acessar as informações que já estão disponíveis para verificarem se procedem e o que mais poderia ser acrescentado, sobretudo em relação aos atrativos turísticos, o acesso a eles, etc.

Os formulários que utilizamos para o levantamento das informações estão disponíveis. Basta que entrem em contato conosco que lhes daremos todas as orientações.

 Atenciosamente,

 Vinicius Márcio Horta

Coordenador de Projetos - SENAC MG

vinicius@pbh.mg.senac.br

(31) 3214-1396

www. descubraminas.com.br

 

VOZ DA TERRA em 12 DE JULHO DE  2.002 

Email recebido 

De: João Eduardo Machado

Cidade: São Paulo

 

 Recebemos email do Sr. João Eduardo, com o qual ele colabora com crítica construtiva, quando diz entre outras coisas:

"Estava lendo o caso sobre a liberação de verba para obras na estrada de interligação Camanducaia-Monte Verde. Muito bem. Agora me digam todos: de que adianta uma linda estrada asfaltada?"
Na sua opinião, Monte Verde precisaria de coisas mais importantes do que a estrada. 

Ele cita a falta de saneamento básico, a poluição dos riachos,  uma cidade "que não sabe o que é uma padronização visual (cheia de estabelecimentos comerciais que avançam pela calçada c/ seus luminosos horríveis), que tem mais "barracas de queijo", que camelôs no centro de São Paulo, que tem em sua grande maioria estabelecimentos funcionando irregularmente e sem fiscalização, que não consegue organizar o trânsito decentemente... que tem comerciantes que preferem ganhar R$50 agora do que R$1000 mais adiante, que não estabelece áreas específicas para aluguel de cavalos e motocilcletas, que cada vez mais atrai turistas que não respeitam a cidade e, pior, não gastam e não geram receita ao município..., falta de planejamento e vontade do poder público e dos moradores.
Esse é um apelo meu e de todos (que não são poucos)"...

João,

Grato pela colaboração. 

Há tempo Monte Verde não tinha volume tão grande de turistas. Acho que, infelizmente, é exceção, talvez pelo frio intenso dos últimos dias. Após isso, o comércio volta a trabalhar no vermelho, como o resto do Brasil atualmente.

Mas a estrada é fundamental porque é até questão de segurança para os moradores. 

Quanto às críticas, vem apenas confirmar que Monte Verde está abandonado pela omissão dos poderes públicos.

Egydio Coelho da Silva

 

VOZ DA TERRA em 13 DE JULHO DE  2.002

Email recebido 

De: Wilson Catapani - Diretor da Organização Mantiqueira Ambiental

Cidade: Monte Verde-MG-Brasil

 

Caro Sr. Egydio :

infelizmente, para minha tristeza, tenho que concordar inteiramente com o Sr. João Eduardo Machado em suas opiniões sobre Monte Verde. 

O turismo é fonte inesgotável de recursos para uma comunidade ou um país, vide a dinheirama arrecadada pela França, Espanha, Itália, entre outros, com a exploração do seu turismo. 

O Brasil não descobriu ainda, que a exploração racional de seu tremendo potencial turístico poderia resolver muitas questões graves do país e dar emprego a muita gente.

 Da mesma forma , Monte Verde também não descobriu isso. O turismo ORDENADO, ECOLÓGICO, COM RESPEITO AO MEIO AMBIENTE, poderia trazer muito dinheiro à comunidade, gerando benefícios diretos e indiretos de grande monta à sua população. Entretanto, para isso, é necessário uma ação ordenada, envolvendo todos os setores da sociedade. 

É preciso acabar com a idéia de que temos água à vontade, e que este é um bem inesgotável. 

Dentro de alguns anos, pagaremos muito caro pela água tão necessária a todos nós, se continuarmos poluindo nossos mananciais. Como sabemos, Monte Verde está a 1800 metros de altitude, e água não sobe morro....Pagaremos muito caro pela fuga de turistas que fatalmente amargaremos, dentro de algum tempo, se continuarmos ocupando calçadas ( em certos lugares na Av. Monte Verde, é necessário usar o leito carroçável para poder-se andar ). 

Eu já presenciei pessoas de terceira idade, com dificuldades de deambulação, tendo que passar pela rua porque simplesmente não havia como passar pela calçada. 

Pagaremos caro se o turista continuar a ter que suportar o mau cheiro vindo de ligações  clandestinas de esgoto na rede pluvial e a companhia de vacas e cavalos  passando-lhes por cima durante seus passeios a pé ( no centro da cidade ! ) .

 É bem verdade também que , se há o bom turista, também há aqueles elementos cuja presença é totalmente desnecessária a Monte Verde, estacionando  seus carros sobre a calçada, deixando lixo em trilhas, saindo sem pagar de pousadas e fazendo tudo que não fariam se lhes fosse aplicada uma multa de doer o bolso. 

Enfim , muita coisa está errada, mas a resultante clara disso é que estamos matando nossa galinha dos ovos de ouro. Quando Monte Verde virar um favelão, um lixão estagnado, o que vai ocorrer ? 

Ninguém mais irá por os pés lá, muita gente vai fechar, muita gente vai ficar sem trabalho. E não pensem que estou sendo alarmista, este cenário é perfeitamente possível....  Em minha modesta opinião, deveríamos começar por algumas premissas :

1- Acabemos com essa história que tudo é culpa da omissão dos poderes públicos. O poder público é sim , omisso, inoperante, paquidérmico, injusto, e não cumpre com suas obrigações. Mas sabem quanto tempo vai demorar para que o poder público seja atuante, eficaz, honesto e justo ?? Então , meus amigos , não temos todo esse tempo para esperar , não.

Eu morei um bom tempo na Escócia, e asseguro-lhes que, se fosse lá, a esta altura, a população já teria feito um esforço conjunto para melhorar, simplesmente ignorando o poder publico. 

Estes países são de primeiro mundo porque seu POVO é nível A, e nâo porque seus governos são nível A.  É  preciso entender que se for necessário colaborar financeiramente para implementar um determinado benefício, isto chama-se INVESTIMENTO, e não DESPESA. Isto vale mesmo que o benefício implantado não esteja à porta da sua casa, do seu hotel ou do seu restaurante, porque tudo que beneficia a população em geral vai beneficiar a cada um de nós. É óbvio que, paralelamente a isso, devemos continuar sim a pressionar o poder público para o cumprimento de suas prerrogativas.  

2- Somente ações conjuntas , coletivas , de alcance populacional, trarão benefícios. Ações isoladas, cada um olhando seu umbigo, não levarão a nada. Não adianta cada um fazer a sua calçada de um jeito, adianta todos fazerem suas calçadas dentro de um determinado padrão arquitetônico para manter a beleza da cidade . É necessário mudar cultura e atitudes, isto leva tempo e só funciona se houver envolvimento do coletivo, e não do interesse de cada categoria.

Vamos separar o BOM TURISMO, desejável , produtivo, ecológico, voltado à preservação de nossa natureza ( afinal, porque alguém vai a Monte Verde senão por suas características de clima e natureza ? ), do MAU turismo, predatório e improdutivo, que pode apenas favorecer momentaneamente umas poucas pessoas em detrimento de toda uma comunidade.

Atenciosamente

 Wilson Catapani - Diretor da Organização Mantiqueira Ambiental

 

 

  VOZ DA TERRA ON LINE EM  19 DE JULHO DE  2.002 

 

TURISMO x MEIO AMBIENTE EM FOCO

 Por Edner Brasil- Secretário do Copera

 

 O turismo é uma industria crescente, segundo dados da OMT (Organização Mundial do Turismo) a industria do turismo no mundo cresceu em média 4% ao ano entre 1996 a 2000 e o Brasil foi o destino mais neste mesmo período. Este crescimento é visível principalmente no setor do turismo de aventura e ecoturismo, pois os turistas cada vez mais estão à procura do ambiente natural, que proporciona descanso da vida urbana através de atividades como caminhadas, escaladas, entre outras.

As áreas naturais onde são praticadas as maiorias destas atividades estão inseridas no ambiente de montanhas, que manteve suas características originais devido à dificuldade de acesso na época dos ciclos do café, açúcar e agropastoris e hoje é a galinha de ovos de ouro de muitos municípios e distritos como é o caso de Monte Verde - MG.

Este novo ciclo econômico “o Turismo” vem se mostrando predatório, pesar de promover menos degradação que as atividades agrícolas como a monocultura e agropastoris se realizado de forma desordenada e sem controle acaba degradando o meio onde vivemos.

Desde o início de 2002 o COPERA – Centro Operacional Ambiental, uma organização não-governamental que foi fundada em São Paulo e vem acompanhando as atividades realizadas pela agência Multisport Mantiqueira, que desenvolve um trabalho de conscientização e apoio ao turista. O COPERA em parceria com SAMOV – Sociedade Amigos de Monte Verde outra ONG local fundada em 1978 que desde então convive com os problemas de degradação ambiental causado principalmente pelo crescimento do distrito em função do turismo, estão estudando uma proposta para o ordenamento turístico aqui no distrito.

A problemática do local foi apresentada em uma reunião realizado no dia 21/06/2002 e tomou como ponto de partida as áreas de preservação permanente (APP) que estão sendo utilizadas para a pratica do turismo de aventura, nesta reunião contamos com a presença de 25 pessoas da comunidade, entre elas representantes dos proprietários das áreas em questão, polícia militar, representantes das agências locais e monitores de pousadas e hotéis. A linha da serra acima de 1800 metros e outras áreas de mananciais é consideradas de preservação permanente pelo código florestal e estão em propriedade particular sendo seus proprietários os Sr. Verner Grimber (fundador da vila de Monte Verde), Raimundo Karlis Kempis e a Cia. Melhoramentos de Papel e Celulose.

Esta reunião fez parte da fase de diagnostico que estamos realizando e para dar seqüência a esta fase realizamos com a ajuda de alguns comerciantes locais, Supermercado DU TATO, disk gás DU BRANCO e Refugio do Selado, que forneceram alimentação e estadia para um encontro que teve como objetivo apresentar a fase de diagnostico do projeto Parque Natural Serra de Monte Verde para as pessoas que foram convidadas a participar deste evento que foi realizado entre os dias 22 e 23 de junho.

Após este encontro pudemos contar com o apoio de algumas pessoas que com trabalho voluntário estão nos ajudando a realizar levantamentos necessários para a confecção da proposta para os proprietários. Alguns resultados do levantamento quantitativos realizados entre os dias 07 a 09 de julho nos mostram que as atividades como as caminhada para os mirantes naturais da serra estão com suas qualidades comprometida, pois somente no dia 07 em 30 minutos subiram 216 pessoas pela trilha da pedra redonda e o total de visitantes deste mirante - Pedra Redonda - nestes quatro dias foi 2.111 pessoas.

Com base nestes levantamentos pudemos identificar alguns problemas como, por exemplo: a maior parte das pessoas que subiam a pedra redonda passava direto pela entrada da trilha, seguindo em frente e após alguns minutos de caminhada percebiam que a pedra estava ficando mais distante e assim retornavam para tomarem a trilha e às vezes chegando à fazenda Santa Cruz, que fica no final do caminho principal que da acesso a pedra redonda. Para amenizar este problema colocamos uma placa informativa que aponta para o início da trilha.

Estas foram algumas das atividades que estamos desenvolvendo para melhorar a qualidade dos atrativos e dos passeios aqui em Monte Verde, agradecemos a todos que colaboram através do trabalho voluntário ou apoio nosso projeto e acreditam que a união de nossos esforços pode trazer um resultado benéfico para os visitantes e a comunidade local. Para maiores informações entre em contato conosco através do email copera@copera.org.br, futuramente estaremos disponibilizando estas informação através do site www.copera.org.br.

 

VOZ DA TERRA em 13 DE JULHO DE  2.002 (fee)

Email recebido 

De: Wilson Catapani - Diretor da Organização Mantiqueira Ambiental

Cidade: Monte Verde-MG-Brasil

 

Caro Sr. Egydio :infelizmente, para minha tristeza, tenho que concordar inteiramente com o Sr. João Eduardo Machado em suas opiniões sobre Monte Verde. 

O turismo é fonte inesgotável de recursos para uma comunidade ou um país, vide a dinheirama arrecadada pela França, Espanha, Itália, entre outros, com a exploração do seu turismo. 

O Brasil não descobriu ainda, que a exploração racional de seu tremendo potencial turístico poderia resolver muitas questões graves do país e dar emprego a muita gente.

 Da mesma forma , Monte Verde também não descobriu isso. O turismo ORDENADO, ECOLÓGICO, COM RESPEITO AO MEIO AMBIENTE, poderia trazer muito dinheiro à comunidade, gerando benefícios diretos e indiretos de grande monta à sua população. Entretanto, para isso, é necessário uma ação ordenada, envolvendo todos os setores da sociedade. 

É preciso acabar com a idéia de que temos água à vontade, e que este é um bem inesgotável. 

Dentro de alguns anos, pagaremos muito caro pela água tão necessária a todos nós, se continuarmos poluindo nossos mananciais. Como sabemos, Monte Verde está a 1800 metros de altitude, e água não sobe morro....Pagaremos muito caro pela fuga de turistas que fatalmente amargaremos, dentro de algum tempo, se continuarmos ocupando calçadas ( em certos lugares na Av. Monte Verde, é necessário usar o leito carroçável para poder-se andar ). 

Eu já presenciei pessoas de terceira idade, com dificuldades de deambulação, tendo que passar pela rua porque simplesmente não havia como passar pela calçada. 

Pagaremos caro se o turista continuar a ter que suportar o mau cheiro vindo de ligações  clandestinas de esgoto na rede pluvial e a companhia de vacas e cavalos  passando-lhes por cima durante seus passeios a pé ( no centro da cidade ! ) .

 É bem verdade também que , se há o bom turista, também há aqueles elementos cuja presença é totalmente desnecessária a Monte Verde, estacionando  seus carros sobre a calçada, deixando lixo em trilhas, saindo sem pagar de pousadas e fazendo tudo que não fariam se lhes fosse aplicada uma multa de doer o bolso. 

Enfim , muita coisa está errada, mas a resultante clara disso é que estamos matando nossa galinha dos ovos de ouro. Quando Monte Verde virar um favelão, um lixão estagnado, o que vai ocorrer ? 

Ninguém mais irá por os pés lá, muita gente vai fechar, muita gente vai ficar sem trabalho. E não pensem que estou sendo alarmista, este cenário é perfeitamente possível....  Em minha 

modesta opinião, deveríamos começar por algumas premissas :

1- Acabemos com essa história que tudo é culpa da omissão dos poderes públicos. O poder público é sim , omisso, inoperante, paquidérmico, injusto, e não cumpre com suas obrigações. Mas sabem quanto tempo vai demorar para que o poder público seja atuante, eficaz, honesto e justo ?? Então , meus amigos , não temos todo esse tempo para esperar , não.

Eu morei um bom tempo na Escócia, e asseguro-lhes que, se fosse lá, a esta altura, a população já teria feito um esforço conjunto para melhorar, simplesmente ignorando o poder publico. 

Estes países são de primeiro mundo porque seu POVO é nível A, e nâo porque seus governos são nível A.  É  preciso entender que se for necessário colaborar financeiramente para implementar um determinado benefício, isto chama-se INVESTIMENTO, e não DESPESA. Isto vale mesmo que o benefício implantado não esteja à porta da sua casa, do seu hotel ou do seu restaurante, porque tudo que beneficia a população em geral vai beneficiar a cada um de nós. É óbvio que, paralelamente a isso, devemos continuar sim a pressionar o poder público para o cumprimento de suas prerrogativas.  

2- Somente ações conjuntas , coletivas , de alcance populacional, trarão benefícios. Ações isoladas, cada um olhando seu umbigo, não levarão a nada. Não adianta cada um fazer a sua calçada de um jeito, adianta todos fazerem suas calçadas dentro de um determinado padrão arquitetônico para manter a beleza da cidade . É necessário mudar cultura e atitudes, isto leva tempo e só funciona se houver envolvimento do coletivo, e não do interesse de cada categoria.

Vamos separar o BOM TURISMO, desejável , produtivo, ecológico, voltado à preservação de nossa natureza ( afinal, porque alguém vai a Monte Verde senão por suas características de clima e natureza ? ), do MAU turismo, predatório e improdutivo, que pode apenas favorecer momentaneamente umas poucas pessoas em detrimento de toda uma comunidade.

Atenciosamente

 Wilson Catapani - Diretor da Organização Mantiqueira Ambiental

 

VOZ DA TERRA  EM  05 DE SETEMBRO DE  2.002

Email recebido 

De:  Nico Pereira

Cidade: Monte Verde-MG  País: Brasil

 

Gostaria de levar ao conhecimento da Comunidade monteverdense que a Revista Próxima Viagem, uma das mais importantes no segmento Turismo, realizou enquete em nível nacional. 

A pergunta feita aos leitores de todo o Brasil foi: "qual a cidade de montanha que você mais gosta ?"

 Para nossa alegria e, por que não dizer, surpresa, Monte Verde aparece em terceiro lugar!!! Em primeiro, Gramado e Canelas -RS, empatadas. Em segundo Campos do Jordão. Para se ter uma idéia, Petrópolis-RJ fica atrás, em quarto lugar., perdendo para Monte Verde. Parabéns a todos! Abraços.

Nico,

Grato por repassar essa boa notícia. 

Quem sabe agora os governantes municipais e estaduais se compenetrem da sua responsabilidade e se empenhem em trabalhar com mais afinco, para nos dar uma infra-estrutura decente. 

Não podemos nunca nos cansar de repetir: "Que desenvolver o turismo, sem investimento na infra-estrutura, é suicídio".

Abraços.

Egydio Coelho

VOZ DA TERRA  EM  09 DE SETEMBRO DE  2.002

Email recebido 

De:  Elisa

Cidade: Brasília-DF  País: Brasil

 

Egydio, 

Fiquei feliz em ver nossa Monte Verde em terceiro lugar. De
fato é belíssima e seu povo maravilhoso.
Abraços
ELISA (Câmara dos Deputados - Brasília - DF)

 

VOZ DA TERRA  EM  09 DE SETEMBRO DE  2.002

Email recebido 

De:  Maria Ascension, Pousada do Bosque

Cidade: Monte Verde -MG - País: Brasil

 

Todos gostam e alguns retornam a nossa cidade , somente os representantes do povo nao reconhecem .

Grata por enviar essa noticia, isso nos engrandece e faz com que cada dia tenhamos mais vontade de lutar.

 

VOZ DA TERRA  EM  09 DE SETEMBRO DE  2.002

Email recebido 

De:  Unger´s Pottery House

Cidade: Monte Verde -MG - País: Brasil

 

Gostaria de salientar que em relação ao comentário do Sr. Nico, nós da Unger´s Pottery House fomos indicados em primeiro lugar  no encarte desta mesma revista.  

 Nós nem sabíamos disto e ficamos surpresos e muito felizes e gratos.

Valeu todo o esforço da Paula Unger com o apoio da família e de alguns hotéis , pousadas e outros comércios e fora o amor com que é feito todo o trabalho.

Gostaríamos  de agradecer a todos os monteverdenses de coração e gostaríamos também de que lessem o anexo  que estou enviando a todos sem exceção, que fala sobre o amor, ou o verdadeiro amor, aquele que vem de DEUS nosso pai maior e que ele nosso pai com desprendimento nos ama sem fronteira alguma.

Gratos nós todos da Unger´s  

 

VOZ DA TERRA  VIRTUAL (on lne) EM  09 DE SETEMBRO DE  2.002  

 

Secretário de Turismo de Minas visita Monte Verde

 

O Secretário de Turismo, Antônio Henrique, falou sobre o Circuito Serras Verdes e da descentralização dos municípios mineiros. “Os circuitos são um grande instrumento para o processo de descentralização. 

É um intermediário entre Estado e município. 

O turismo hoje é visto como uma alavanca de geração de empregos, graças ao meu antecessor Manoel Costa que contribuiu muito na implementação da Secretaria de Turismo de Minas”, disse o Secretário.

A visita foi até o final da tarde, seguido de um almoço com moradores de MV e lideranças da região. 

O candidato Manoel Costa, juntamente com o Secretário de Turismo, fez uma breve reunião, onde falaram sobre o turismo de Monte Verde. 

“Vocês criaram a vila mais charmosa do Brasil... vamos fazer do turismo uma cadeia produtiva”, disse o candidato Manoel Costa. 

Em seu discurso, Manoel Costa lembrou do dia em que veio a Monte Verde para a entrega do Selo Turístico e da vergonha que sentiu em ver a estrada cheia de buracos e a falta de saneamento básico. 

“Foi um choque para mim quando vi que o Estado era ausente. Eu me senti responsável e vi que era o meu dever intervir por Monte Verde para que o asfalto fosse logo iniciado” acrescentou o candidato.

 

VOZ DA TERRA  EM 06 NOVEMBRO DE  2.002

Email recebido 

De:Dante Bachi 

Cidade: Monte Verde - SP - País: Brasil

 

Sugiro a divulgação da matéria abaixo, publicada em Notícias Hoteleiras:

 

Aécio Neves elege turismo como prioridade em sua administração

 Em sua primeira entrevista à imprensa, logo após a totalização dos votos pelo TRE , o governador eleito de Minas, Aécio Neves (PSDB e partidos coligados) - e que obteve mais de 5 milhões de votos - disse que uma das prioridades de seu governo vai ser o incremento ao turismo. Aécio reconhece que a atividade é a principal para a geração de empregos e divisas.

O governador eleito , que mostrou, em linhas gerais, as suas metas de trabalho em todos os setores, explicou que o turismo será incrementado, tanto o de negócios como o de lazer, o religioso, o histórico, o rural, aproveitando e melhorando a boa infra-estrutura existente.

Aécio Neves é oriundo de uma das principais cidades do Turismo Histórico de Minas, São João Del Rei, e conhece bem a importância do turismo e a necessidade de investimentos e uma atuação firme do setor público na atividade.

A afirmação de Aécio Neves empolgou as lideranças do turismo mineiro, tendo os dirigentes das entidades de classe afirmado que pretendem procurar o governador eleito ainda em novembro para a apresentação de algumas sugestões que possam melhorar o desempenho do turismo.

 

VOZ DA TERRA  IMPRESSA  ON LINE EM JULHO DE  2003

Notícias publicadas no jornal "O Portal de Monte Verde" edição de julho de 2003

 

Criada a Secretaria de Turismo de Camanducaia

Foi criada a primeira Secretaria de Turismo do Município de Camanducaia e quem assumiu o cargo em maio foi Karin Almeida Moreira. Formada em 2002 pela faculdade Nilton Paiva de Belo Horizonte, a primeira secretária de Turismo já vem se reunindo com entidades, associações e lideranças para interar sobre as carências do setor, até então adormecido pelo poder público. A secretária Karin tem muitos planos para o município, e de inicio pretende desenvolver um trabalho de campo através de um convênio com a Nilton Paiva, a fim de diagnosticar o município. “Vamos fazer um inventário do município e levantamento da oferta turística. Estarão vindo dez voluntários no dia seis de julho para este trabalho” diz karin. Entre muitas prioridades como estrutura e saneamento básico e estrada para Monte Verde, a secretária pretende padronizar a sinalização do município e investir no paisagismo e urbanismo.S.S (Entrevista na íntegra Voz da Terra Ed. 43/julho)  

 

VOZ DA TERRA  ON LINE EM 08 DE JANEIRO DE 2004 

Secretaria de Turismo de Camanducaia faz Levantamento Turístico em Monte Verde

Por Suely Silva

Através de uma parceria da Secretaria de Turismo da Prefeitura de Camanducaia, com a Fundação Nilton Paiva de Belo Horizonte, oito universitários do sexto e sétimo períodos do curso de Turismo, desenvolveram durante esta semana em Monte Verde e Camanducaia um Levantamento da Oferta Turística do Município. A metodologia adotada para o desenvolvimento da pesquisa seguiu os moldes da EMBRATUR, a partir do modelo criado pelo OEA – Organização dos Estados Americanos-visando também atender e facilitar os internautas do Portal Descubraminas.
O objetivo do levantamento das informações turísticas é obter dados gerais de interesse turístico e informações Geo-Históricas e econômicas do município.
De acordo com a Secretária de Turismo Karen de Almeida, o levantamento da oferta turística de Monte Verde não só contribuirá para o conhecimento do potencial turístico da região, como também a atualização do site Descubraminas. 
Segundo a monitora do projeto Mariana Elias Gomes é possível uma melhor divulgação e planejamento das atividades turísticas realizadas no município. “O nosso trabalho é coletar informações e dados através de uma pesquisa realizada em campo. Após, daremos a Secretaria de Turismo da Prefeitura de Camanducaia, uma descrição real do potencial da região” disse a monitora.
Hotéis, restaurantes, comércios e instituições foram visitados pelos turismólogos. O Conteúdo informacional desta pesquisa se baseiam em atrativos turísticos, Histórico-cultural, Manifestações populares e folclóricas, Festas religiosas, eventos artísticos, culturais e esportivos. Serão analisados pelos estudantes os meios de hospedagem, alimentação, entretenimento, espaço para eventos, compras, serviços de informação turística, transportes, comunicações, segurança e saúde. Todas as informações serão informatizadas para um futuro planejamento e atualização de alguns sites defasados. O Portal Descubraminas, por exemplo, está totalmente desatualizado. Os estudantes fizeram anteriormente ao trabalho de campo, uma pesquisa em vários sites que constavam Monte Verde e alguns traziam endereço e informações muito antigas. Essa desinformação turística é um ponto negativo para o internauta, por isso a necessidade de uma atualização das informações turísticas.
A tarefa dos futuros Turismólogos não é nada fácil. Alguns empresários e comerciantes chegam a negar informações, insistindo em não contribuir com o planejamento turístico da região. O Estado de Minas é conhecido hoje pelo seu potencial turístico e pelos novos Circuitos criados. 

Monte Verde faz parte do Circuito Serras Verdes do Sul de Minas, mas a Prefeitura de Camanducaia ainda não aderiu em termos burocráticos. 

VOZ DA TERRA  ON LINE EM 09 DE JANEIRO DE 2004

 

Lenda Chinesa para uso de adultos bem intencionados

Por Francisco Petersen

Não faz muito, me foi segredado por alguns empresários locais, que o final do ano de 2003 foi o pior da última década, em termos de faturamento.
Concomitantemente, a mídia discorria sobre os bons resultados nas vendas natalinas e no turismo interno que se engalanava nas cidades litorâneas para receber a clientela que afluía do interior dos estados e do exterior, de maneira avassalante. Nas cidades serranas de Campos do Jordão, Gramado, Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo, entre outras, não foi diferente. Todos navegavam em “mar de rosas”, saboreando o néctar doce e inebriante das boas vendas.
Na oportunidade, mais uma vez, insisti em que o fracasso do nosso distrito, em termos turístico, independente da insensibilidade do Governo Municipal para com os nossos reclamos e anseios, está irremediavelmente ligado ao individualismo doentio, a desunião descabida e ao egoísmo ridículo praticados por boa parte da população atuante e, por conseguinte- pensante- que alcança a importância de uma concentração de esforços em torno do ideal maior que é o desenvolvimento ordeiro e fecundo de Monte Verde, edificado com nossas próprias mãos, visando a coletividade que trás no seu seio os menos afortunados, os quais demandam lideranças e acolhimento.
Durante o encontro, recordei aos amigos, uma lenda milenar da cultura Chinesa que tem como título – Céu e inferno – e que relata o seguinte diálogo:
“Naquele tempo, um discípulo perguntou ao mestre – mestre, diga-me, por favor: qual a diferença que existe entre o céu e o inferno? E o mestre respondeu: Ela é muito pequena, contudo acarreta grandes conseqüências para seus habitantes”.
Certa vez eu vi um monte de arroz cozido e preparado com alimento. Ao redor dele, diversos homens se reuniram quase a morrer de inanição. Não podiam se aproximar do monte de arroz, mas possuíam longos palitos de dois a três metros de comprimento. Apanhavam o arroz, mas não conseguiam leva-lo à boca, porque os palitos em suas mãos eram longos demais. E, assim famintos e moribundos, embora juntos, mas solitários, permaneceram curtindo uma fome eterna diante de uma fartura inesgotável. Era o inferno.
Vi outro grande monte de arroz, cozido e preparado como alimento. Ao redor dele, também havia muitos homens. Famintos, mas cheios de saúde e vitalidade. Não podiam se aproximar do monte de arroz, mas também tinham longos palitos de dois a três metros de comprimento. Apanhavam o arroz, mas como não conseguiam leva-lo à própria boca, serviam-se uns aos outros o arroz. E assim conseguiram matar a sua fome insaciável, numa grande e perfeita comunhão fraterna. Juntos e solidários, gozando a excelência dos homens e das coisas. E isso era o céu.
Alguns menos avisados já fantasiaram que a nossa incompetência é fruto da ação de entidades funestas do mundo das trevas que, através de maldição horrenda, nos faz inertes e desunidas. Se este for o caso, lembro que em casos extremos de bruxaria, certos povos do caribe e da África recomendam o Voodoo! Quem sabe para nós, também, pode funcionar?
Eu, particularmente, tenho por certo que boas doses de sinceridade de propósitos, amor ao distrito e a sua gente, perseverança e trabalho coletivo podem resolver o atual desvario.

  *Página inicial

Green Village Hotel

Hotel pitoresco a 800m do centro. Apt.ºs., calefação no inverno. Frigobar,  interfone, antena parabólica, bosque c/13.000 m2.  Lareira. Sauna.          Av. do Sol Nascente, 711.  Fone-fax: (0XX35) 3438-1266  

RESERVAS EM SÃO PAULO: (0XX11) 3258-9898 Fax: (0XX11) 3256-0287.
Website:

Visite o site