VOZ DA TERRA - jornal impresso e virtual de Monte Verde

Diretor: Egydio Coelho da Silva

 

FINANÇAS, IMPOSTOS MUNICIPAIS: JANEIRO DE 1.99 9 A FEVEREIRO DE 2.002

VOZ DA TERRA – JANEIRO de 1.999

Vereador lamenta falta de informação da Prefeitura

O vereador e  ex-presidente da Câmara, Carlos Roberto Couto diz que está havendo muita dificuldade de comunicação com o prefeito de Camanducaia, Waldemar de Oliveira.  

Roberto Couto, que é do PFL, mesmo partido do Prefeito, conta que tem sido discriminado porque adotou o critério de votar projetos de lei, levando em consideração o que consta no projeto.

Para ele, não é importante quem pediu ou quem está interessado na aprovação do projeto.

Disse que essa era a orientação, que ele passava aos seus colegas da Câmara, quando era presidente.

"Infelizmente",  lamenta, "muitos vereadores pouco se preocupam com o que trata o projeto, mas sim se o projeto é de interesse do Prefeito ou não".

Informa que  não concorda com o critério adotado pela Prefeitura de cobrança de contribuição de melhoria aos proprietários de imóveis à Av. Sol Nascente, nem da forma com que está sendo pavimentada  a Estrada Monte Verde / Camanducaia.

Por isso, queria ter mais informação sobre o assunto. Chegou a fazer um ofício ao prefeito, Dr. Mazinho, quando ainda era presidente da Câmara.

Mas como sempre, não obteve resposta.

"Admiro e estimo o Dr. Mazinho, como pessoa e médico, mas não posso dizer o mesmo quando se trata do Prefeito", conclui.

(veja na primeira página explicação do Prefeito)

 

VOZ DA TERRA – JANEIRO DE 1.999

Impostos e contribuição de Melhoria municipais

 Os meios de produção e prestadores de serviços têm sido a vítima maior da crise econômica, que assola o País. A queda da produção implica em menos arrecadação de impostos. Aí o Governo Federal modifica as leis e transfere rendas dos estados e municípios para a União.

A União e os estados, empobrecidos e atolados em dívidas, transferem aos municípios as suas obrigações com a saúde, educação, segurança e investimento em infra-estrutura.

Os municípios, então, para fazer frente às suas despesas, aumentam impostos, como acontece aqui.

A Prefeitura de Camanducaia, apoiada pelos vereadores fisiologistas, aumentou a alíquota do ISS em mais de 150%. Na prática, porém, o aumento foi mais de 500%, graças a um sistema de cobrança de impostos, que foi exigido sob ameaça aos contribuintes.

Houve também uma promessa, não cumprida, de que a alíquota do imposto seria reduzida e o aumento não ultrapassaria a 50%.

Além disso, a Prefeitura contratou "técnicos", que, pura e simplesmente, copiaram a legislação tributária de outros municípios. Não levaram em consideração a nossa realidade.

Chega-se ao absurdo de cobrar uma alíquota dobrada do IPTU, sobre proprietários urbanos, que preservam vegetação natural.

 

 

Trata-se de uma política tributária suicida, que a médio e longo prazo, destruirá a natureza, a principal atração turística de Monte Verde.

 

Outra injustiça tributária é a contribuição de melhoria, que a Prefeitura resolveu cobrar dos proprietários de imóveis, localizados à Avenida do Sol Nascente. Revoltou a todos não só o alto valor da contribuição, mas também a forma com que se projeta cobrar de todos.

Tudo indicava que não haveria nenhuma cobrança  de contribuição de melhoria aos proprietários.

O prefeito anterior asfaltou praticamente a Vila da Fonte inteira, ruas de pouco movimento, cujo asfalto certamente valorizou os imóveis e nada cobrou dos proprietários.

A Prefeitura também asfaltou diversas ruas em Camanducaia e não cobrou contribuição de melhoria.

E, quando qualquer morador de Monte Verde, pleiteava a pavimentação da Avenida do Sol Nascente, o Prefeito nunca lhe dizia que objetivava cobrar contribuição de melhoria dos proprietários.

Manda a boa ética (e em muitos municípios existe até legislação sobre o assunto) que a prefeitura consulte os proprietários se concordam com a pavimentação, antes do início das obras.

Portanto, se observa que houve uma clara intenção da Prefeitura em esconder de todos o seu desejo de cobrar dos proprietários a contribuição de melhoria.

Além disso, alguns vereadores, inclusive o vereador de Monte Verde, Rúbens Mungioli, entende que o valor da obra é muito alto, 250 mil reais para menos de dois mil metros de extensão.

Acrescente-se que - como se trata de pavimentação da principal avenida de Monte Verde em termos de trânsito de veículos - é de entender que beneficia o Distrito inteiro e não somente os proprietários. Aliás, alguns proprietários prefeririam a Avenida sem asfalto, com menos trânsito ou mais lento.

Todos entendem as dificuldades financeiras da Prefeitura, que, por isso, arrocha os contribuintes, principalmente os de Monte Verde, que contribuem com mais de 75% da arrecadação do Município.

 Só não compreendem porque não há a contrapartida, pois não aplica aqui nem 10% do arrecadado; sequer publica o orçamento de Monte Verde, para dar transparência à sua administração. O Prefeito dificilmente visita Monte Verde, não comparece a reuniões com as entidades e só aparece aqui em véspera de eleições.

Até mesmo o edital de comunicação sobre a decisão de cobrar contribuição de Melhoria relativa à Av. Sol Nascente foi publicado em jornal de Camanducaia, que não é distribuído em Monte Verde.  

 

VOZ DA TERRA – JANEIRO DE 2.000

 PREFEITO:

Zé Verdinho, ainda acho que o povo de Monte Verde vai se unir e decidir pagar pedágio. Se isso não acontecer, fica difícil tapar os buracos na Estrada...

ZÉ VERDINHO:

Eu também acho, Dr. Prefeito, que o pessoal vai se unir. O único risco que o Sr. corre é que a decisão não seja a de pagar pedágio, mas a de não mais pagar impostos para a Prefeitura...

(Veja desenho na página “Zé Verdinho e o Prefeito”)

 

PATINAÇÃO NO GELO EM MONTE VERDE

 

Venha curtir esta atração em finais de semana e temporada!

 

AULAS COM PROFESSOR DE NÍVEL INTERNACIONAL

 

 * AFIAMOS PATINS.

 

*PREÇOS ESPECIAIS PARA GRUPOS!

 

Website:

www.patinacaonogelo.hpg.com.br 

Email:

patinacao@uol.com.br 

Av. Monte Verde, 1.463

Telefone: (0XX35) 3438-1440

 

XXXXXX

 

CIA-CENTRO DE INFORMÁTICA AVANÇADA 

 

Em Monte 

Verde:

 Prestadora de Serviços de Informática:

·        Montagem e Instalação de Sistemas (Sistemas de Hotelaria, Restaurantes, Lojas e Escritórios em geral)

·        Assistência Técnica (Manutenção em equipamentos)

·        Vendas de Equipamentos e Acessórios

·        Instalação  e Manutenção de Internet

·        Aulas de Computação

 

Ligue e solicite o orçamento para a construção do sistema de sua empresa ou de outros serviços que o CIA oferece.

 

A automação de sua empresa vai agilizar seus negócios.

 

( 0XX35 3438-1799 ou 3438-2562

Rua Pedra Partida, 34 Monte Verde – 37.653.000 - MG

XXXXXX

         

*Desde 1.979*

As informações turísticas no Portal de entrada da cidade são fornecidas pela Associação Comercial de Monte Verde (ACMV), com a finalidade de tornar agradável e confortável a estada do turista em Monte Verde . Aos moradores se dão também quaisquer informações. 

Os recepcionistas estão proibidos de fazer indicação de hotéis, restaurantes, etc.

Sua obrigação é transmitir ao turista todas as informações sobre hotéis, pousadas, restaurantes e empresas filiadas à ACMV, para que ele decida onde se hospedar, onde se alimentar e o que comprar em Monte Verde.

No jornal VOZ DA TERRA impresso, que é também distribuído no Portal, consta a relação de todos os hotéis (tabela de preços) e de todos os filiados à ACMV.

Email: acmv@monteverdemg.

com.br

Telefone: (0XX35) 3438-1125 e 1549

 

XXXXXX

 

CAMPING DO BAMBU

 

Com café da Manhã

R$10,00 por pessoa.

 

 Criação de trutas, piscina natural, cavalos

 

Estrada de Monte Verde, km 25 - Telefone: 9962-8046

 

NOTÍCIAS DE FEVEREIRO DE 2.000  

Texto do debate, coordenado por Walter Monacci  em Monte Verde

De : Vereador Rubens Mungioli

Para : Debate

Data 19/02/2.000

Proj. de lei 230/00, aprovado por unanimidade - "Dispõe sobre isenção de pagamentos de ITU, ISS e TLL em atraso referente aos anos de 1.997, 1.998, 1.999, e dá outras providências.

Proj. de lei 231/00, aprovado por unanimidade - " Dispõe sobre a isenção de tributos para os casos que menciona e dá outras providências".

Proj. de lei 232/00, votação adiada - "Dispõe sobre autorização para concessão de uso de bem público que identifica, mediante processo licitatório". Pedimos alongamento de prazo para total reformulação. Este Proj. de lei refere-se a terceirização do Matadouro Municipal. Foi apresentado pelo Prefeito de forma muito sucinta sem especificar garantias de bons serviços.

Proj. de lei 233/00, aprovado por 9x1 - "Cria vaga no Plano de Cargos e Vencimentos da Prefeitura Municipal de Camanducaia e dá outras providências".

Votei contra.

Foi criado mais um cargo de Fiscal de Tributação. Este Fiscal, será designado para fiscalizar o recolhimento de IPTU, exclusivamente para Monte Verde.

Votei contra porque, como se pode ler na Prestação de Contas de 99, temos :

IPTU da Cidade R$ 194.745,77

IPTU de Monte Verde R$ 556.312,99

IPTU de São Matheus R$ 343,19 (não é erro de digitação)

A cidade é maior, mas arrecada 3 vezes menos

São Matheus ( + ou - 3.000 habitantes ) é um pouco menor e não arrecada nada, porque a Prefeitura não quer cadastrar o Distrito que é reduto do PFL (Prefeito) e do PSDB( Vice), com a folclórica desculpa (acreditem) que aquelas terras pertencem ao Santo Matheus.

Está aí uma idéia, vamos doar todo o Distrito de Monte Verde à Santo Agostinho, ou à Santo Benedito. Alguém tem sugestões?

Proj. de lei 234/00, aprovado por unanimidade - " Autoriza o Prefeito Municipal a assinar termo aditivo com a Fundação Santa Therezinha e dá outras providências".

Refere-se a convênio com o Asilo de Camanducaia.

Proj. de lei 235/00, aprovado 9x1 - "Cria vaga de Cargos e Vencimentos da Prefeitura Municipal de Camanducaia e dá outras providências".

Votei contra.

Não posso concordar com a criação de mais 31 cargos, seja quais forem as "necessidades".

Em 96, tínhamos 280 funcionários, incluindo-se os contratados, e várias obras em andamento. Hoje temos 420, não incluindo-se contratados, e nenhuma obra. Para quê mais funcionários ?

Foram criados, uma centena de cargos inúteis ou excessivos, em 99, bem como outros tantos cargos de confiança, também inúteis porém com salários de úteis. Agora o Prefeito vem com as suas "necessidades".

Proj. de lei 236/00, aprovado por unanimidade - "Autoriza o Prefeito Municipal a celebrar convênio com a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Camanducaia e dá outras providências".

Pelo terceiro ano consecutivo, a Câmara autoriza o convênio e o repasse de R$ 180.000,00 anuais ao Hospital de Camanducaia.

Projetos de Resolução.

Obs. - Difere do Proj. de lei, pois refere-se a matéria de exclusiva competência da Câmara, não sujeitando-se a sanção ou veto do Prefeito. Não possui efeitos externos, apenas internos. Necessita para aprovação, de maioria simples ou em alguns casos 2/3, como é o caso das resoluções para aprovação de Contas do Prefeito, as de número 17 e 16.

Proj. de Resolução 17/00, aprovado por unanimidade - "Aprova contas do exercício de 1.991" - do Ex-Prefeito Odair Paiva Sá .

Apesar de 2 irregularidades apontadas pelo Tribunal de Contas do Estado de MG, estas eram de características formais na demonstração das contas.

Proj. de Resolução 16/00, aprovado por 9x1 - "Aprova contas do exercício de 1.997" - do atual Prefeito Waldemar Gomes de Oliveira Filho.

O Tribunal de Contas apontou 8 irregularidades na prestação de contas de 97. Estas irregularidades foram defendidas e justificadas pelo Prefeito. O Tribunal recusou e não aceitou as 8 defesas, mantendo os apontamentos. Em todas as 8, os pareceres finalizam com - "O defendente, ao se referir (segue a defesa) etc........ Em razão do exposto, ratificamos nossa informação inicial, mantendo a irregularidade apontada neste item".

Se o Tribunal de Contas rejeitou as defesas do Prefeito, não serei eu, a contrariar os pareceres dos especialistas de Belo Horizonte.

Votei contra, apesar dos outros Vereadores terem votado a favor.

Proj. de Resolução 15/00, aprovado por 6x4 - " Dispõe sobre a implantação de sistema de gravação das Reuniões da Câmara".

Votaram contra, os Vereadores - José Roberto, Gentil Faria, José da Pedra e Zezão.

Votaram a favor - Rubens Mungioli ( autor do projeto), Tato, Estevam, Zuca, Roberto Couto e Ademilson.

Vou me estender um pouco no comentário desta Resolução.

Apresentei este Projeto em Dezembro do ano passado. Na votação, houve empate e, o Presidente (Vereador Dinho) votou contra. Reapresentei neste ano, o mesmo Projeto, que foi provado então, por 6x4. O Vereador Dinho ( Presidente), que é enfática e explicitamente contra, não pôde votar. Portanto, foi aprovada a Resolução que obriga que, todas as Reuniões da Câmara, sejam gravadas em fitas K7 e onde, qualquer cidadão pode solicitar uma cópia.

Ao final da votação da noite de 17 de fevereiro, o Presidente assoberbado, insurgiu-se contra a decisão da maioria e declarou, várias vezes, em alto e bom som, que não cumprirá e não permitirá que as reuniões sejam gravadas.

Esta é uma descrição muito abreviada do ocorrido. As conclusões, eu vou deixar para os integrantes do debate deduzirem.

 

VOZ DA TERRA – JANEIRO de 1.999

Vereador lamenta falta de informação da Prefeitura

O vereador e  ex-presidente da Câmara, Carlos Roberto Couto diz que está havendo muita dificuldade de comunicação com o prefeito de Camanducaia, Waldemar de Oliveira.  

Roberto Couto, que é do PFL, mesmo partido do Prefeito, conta que tem sido discriminado porque adotou o critério de votar projetos de lei, levando em consideração o que consta no projeto.

Para ele, não é importante quem pediu ou quem está interessado na aprovação do projeto.

Disse que essa era a orientação, que ele passava aos seus colegas da Câmara, quando era presidente.

"Infelizmente",  lamenta, "muitos vereadores pouco se preocupam com o que trata o projeto, mas sim se o projeto é de interesse do Prefeito ou não".

Informa que  não concorda com o critério adotado pela Prefeitura de cobrança de contribuição de melhoria aos proprietários de imóveis à Av. Sol Nascente, nem da forma com que está sendo pavimentada  a Estrada Monte Verde / Camanducaia.

Por isso, queria ter mais informação sobre o assunto. Chegou a fazer um ofício ao prefeito, Dr. Mazinho, quando ainda era presidente da Câmara.

Mas como sempre, não obteve resposta.

"Admiro e estimo o Dr. Mazinho, como pessoa e médico, mas não posso dizer o mesmo quando se trata do Prefeito", conclui.

(veja na primeira página explicação do Prefeito)

 

VOZ DA TERRA – JANEIRO DE 1.999

Impostos e contribuição de Melhoria municipais

 Os meios de produção e prestadores de serviços têm sido a vítima maior da crise econômica, que assola o País. A queda da produção implica em menos arrecadação de impostos. Aí o Governo Federal modifica as leis e transfere rendas dos estados e municípios para a União.

A União e os estados, empobrecidos e atolados em dívidas, transferem aos municípios as suas obrigações com a saúde, educação, segurança e investimento em infra-estrutura.

Os municípios, então, para fazer frente às suas despesas, aumentam impostos, como acontece aqui.

A Prefeitura de Camanducaia, apoiada pelos vereadores fisiologistas, aumentou a alíquota do ISS em mais de 150%. Na prática, porém, o aumento foi mais de 500%, graças a um sistema de cobrança de impostos, que foi exigido sob ameaça aos contribuintes.

Houve também uma promessa, não cumprida, de que a alíquota do imposto seria reduzida e o aumento não ultrapassaria a 50%.

Além disso, a Prefeitura contratou "técnicos", que, pura e simplesmente, copiaram a legislação tributária de outros municípios. Não levaram em consideração a nossa realidade.

Chega-se ao absurdo de cobrar uma alíquota dobrada do IPTU, sobre proprietários urbanos, que preservam vegetação natural.

 

 

Trata-se de uma política tributária suicida, que a médio e longo prazo, destruirá a natureza, a principal atração turística de Monte Verde.

 

Outra injustiça tributária é a contribuição de melhoria, que a Prefeitura resolveu cobrar dos proprietários de imóveis, localizados à Avenida do Sol Nascente. Revoltou a todos não só o alto valor da contribuição, mas também a forma com que se projeta cobrar de todos.

Tudo indicava que não haveria nenhuma cobrança  de contribuição de melhoria aos proprietários.

O prefeito anterior asfaltou praticamente a Vila da Fonte inteira, ruas de pouco movimento, cujo asfalto certamente valorizou os imóveis e nada cobrou dos proprietários.

A Prefeitura também asfaltou diversas ruas em Camanducaia e não cobrou contribuição de melhoria.

E, quando qualquer morador de Monte Verde, pleiteava a pavimentação da Avenida do Sol Nascente, o Prefeito nunca lhe dizia que objetivava cobrar contribuição de melhoria dos proprietários.

Manda a boa ética (e em muitos municípios existe até legislação sobre o assunto) que a prefeitura consulte os proprietários se concordam com a pavimentação, antes do início das obras.

Portanto, se observa que houve uma clara intenção da Prefeitura em esconder de todos o seu desejo de cobrar dos proprietários a contribuição de melhoria.

Além disso, alguns vereadores, inclusive o vereador de Monte Verde, Rúbens Mungioli, entende que o valor da obra é muito alto, 250 mil reais para menos de dois mil metros de extensão.

Acrescente-se que - como se trata de pavimentação da principal avenida de Monte Verde em termos de trânsito de veículos - é de entender que beneficia o Distrito inteiro e não somente os proprietários. Aliás, alguns proprietários prefeririam a Avenida sem asfalto, com menos trânsito ou mais lento.

Todos entendem as dificuldades financeiras da Prefeitura, que, por isso, arrocha os contribuintes, principalmente os de Monte Verde, que contribuem com mais de 75% da arrecadação do Município.

 Só não compreendem porque não há a contrapartida, pois não aplica aqui nem 10% do arrecadado; sequer publica o orçamento de Monte Verde, para dar transparência à sua administração. O Prefeito dificilmente visita Monte Verde, não comparece a reuniões com as entidades e só aparece aqui em véspera de eleições.

Até mesmo o edital de comunicação sobre a decisão de cobrar contribuição de Melhoria relativa à Av. Sol Nascente foi publicado em jornal de Camanducaia, que não é distribuído em Monte Verde.  

 

VOZ DA TERRA – JANEIRO DE 2.000

 PREFEITO:

Zé Verdinho, ainda acho que o povo de Monte Verde vai se unir e decidir pagar pedágio. Se isso não acontecer, fica difícil tapar os buracos na Estrada...

ZÉ VERDINHO:

Eu também acho, Dr. Prefeito, que o pessoal vai se unir. O único risco que o Sr. corre é que a decisão não seja a de pagar pedágio, mas a de não mais pagar impostos para a Prefeitura...

(Veja desenho na página “Zé Verdinho e o Prefeito”)

NOTÍCIAS DE FEVEREIRO DE 2.000  

Texto do debate, coordenado por Walter Monacci  em Monte Verde

De : Vereador Rubens Mungioli

Para : Debate

Data 19/02/2.000

Proj. de lei 230/00, aprovado por unanimidade - "Dispõe sobre isenção de pagamentos de ITU, ISS e TLL em atraso referente aos anos de 1.997, 1.998, 1.999, e dá outras providências.

Proj. de lei 231/00, aprovado por unanimidade - " Dispõe sobre a isenção de tributos para os casos que menciona e dá outras providências".

Proj. de lei 232/00, votação adiada - "Dispõe sobre autorização para concessão de uso de bem público que identifica, mediante processo licitatório". Pedimos alongamento de prazo para total reformulação. Este Proj. de lei refere-se a terceirização do Matadouro Municipal. Foi apresentado pelo Prefeito de forma muito sucinta sem especificar garantias de bons serviços.

Proj. de lei 233/00, aprovado por 9x1 - "Cria vaga no Plano de Cargos e Vencimentos da Prefeitura Municipal de Camanducaia e dá outras providências".

Votei contra.

Foi criado mais um cargo de Fiscal de Tributação. Este Fiscal, será designado para fiscalizar o recolhimento de IPTU, exclusivamente para Monte Verde.

Votei contra porque, como se pode ler na Prestação de Contas de 99, temos :

IPTU da Cidade R$ 194.745,77

IPTU de Monte Verde R$ 556.312,99

IPTU de São Matheus R$ 343,19 (não é erro de digitação)

A cidade é maior, mas arrecada 3 vezes menos

São Matheus ( + ou - 3.000 habitantes ) é um pouco menor e não arrecada nada, porque a Prefeitura não quer cadastrar o Distrito que é reduto do PFL (Prefeito) e do PSDB( Vice), com a folclórica desculpa (acreditem) que aquelas terras pertencem ao Santo Matheus.

Está aí uma idéia, vamos doar todo o Distrito de Monte Verde à Santo Agostinho, ou à Santo Benedito. Alguém tem sugestões?

Proj. de lei 234/00, aprovado por unanimidade - " Autoriza o Prefeito Municipal a assinar termo aditivo com a Fundação Santa Therezinha e dá outras providências".

Refere-se a convênio com o Asilo de Camanducaia.

Proj. de lei 235/00, aprovado 9x1 - "Cria vaga de Cargos e Vencimentos da Prefeitura Municipal de Camanducaia e dá outras providências".

Votei contra.

Não posso concordar com a criação de mais 31 cargos, seja quais forem as "necessidades".

Em 96, tínhamos 280 funcionários, incluindo-se os contratados, e várias obras em andamento. Hoje temos 420, não incluindo-se contratados, e nenhuma obra. Para quê mais funcionários ?

Foram criados, uma centena de cargos inúteis ou excessivos, em 99, bem como outros tantos cargos de confiança, também inúteis porém com salários de úteis. Agora o Prefeito vem com as suas "necessidades".

Proj. de lei 236/00, aprovado por unanimidade - "Autoriza o Prefeito Municipal a celebrar convênio com a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Camanducaia e dá outras providências".

Pelo terceiro ano consecutivo, a Câmara autoriza o convênio e o repasse de R$ 180.000,00 anuais ao Hospital de Camanducaia.

Projetos de Resolução.

Obs. - Difere do Proj. de lei, pois refere-se a matéria de exclusiva competência da Câmara, não sujeitando-se a sanção ou veto do Prefeito. Não possui efeitos externos, apenas internos. Necessita para aprovação, de maioria simples ou em alguns casos 2/3, como é o caso das resoluções para aprovação de Contas do Prefeito, as de número 17 e 16.

Proj. de Resolução 17/00, aprovado por unanimidade - "Aprova contas do exercício de 1.991" - do Ex-Prefeito Odair Paiva Sá .

Apesar de 2 irregularidades apontadas pelo Tribunal de Contas do Estado de MG, estas eram de características formais na demonstração das contas.

Proj. de Resolução 16/00, aprovado por 9x1 - "Aprova contas do exercício de 1.997" - do atual Prefeito Waldemar Gomes de Oliveira Filho.

O Tribunal de Contas apontou 8 irregularidades na prestação de contas de 97. Estas irregularidades foram defendidas e justificadas pelo Prefeito. O Tribunal recusou e não aceitou as 8 defesas, mantendo os apontamentos. Em todas as 8, os pareceres finalizam com - "O defendente, ao se referir (segue a defesa) etc........ Em razão do exposto, ratificamos nossa informação inicial, mantendo a irregularidade apontada neste item".

Se o Tribunal de Contas rejeitou as defesas do Prefeito, não serei eu, a contrariar os pareceres dos especialistas de Belo Horizonte.

Votei contra, apesar dos outros Vereadores terem votado a favor.

Proj. de Resolução 15/00, aprovado por 6x4 - " Dispõe sobre a implantação de sistema de gravação das Reuniões da Câmara".

Votaram contra, os Vereadores - José Roberto, Gentil Faria, José da Pedra e Zezão.

Votaram a favor - Rubens Mungioli ( autor do projeto), Tato, Estevam, Zuca, Roberto Couto e Ademilson.

Vou me estender um pouco no comentário desta Resolução.

Apresentei este Projeto em Dezembro do ano passado. Na votação, houve empate e, o Presidente (Vereador Dinho) votou contra. Reapresentei neste ano, o mesmo Projeto, que foi provado então, por 6x4. O Vereador Dinho ( Presidente), que é enfática e explicitamente contra, não pôde votar. Portanto, foi aprovada a Resolução que obriga que, todas as Reuniões da Câmara, sejam gravadas em fitas K7 e onde, qualquer cidadão pode solicitar uma cópia.

Ao final da votação da noite de 17 de fevereiro, o Presidente assoberbado, insurgiu-se contra a decisão da maioria e declarou, várias vezes, em alto e bom som, que não cumprirá e não permitirá que as reuniões sejam gravadas.

Esta é uma descrição muito abreviada do ocorrido. As conclusões, eu vou deixar para os integrantes do debate deduzirem.  

 VOZ DA TERRA – 02 DE FEVEREIRO DE  2.001

 Obras só em março, diz Prefeito

 O prefeito de Camanducaia Emydio Moreira Filho diz que a Prefeitura de Camanducaia está totalmente sem caixa.

 “Para você ter idéia”, explica, “hoje é dia 26 de janeiro e ainda não consegui arrumar o dinheiro para pagar o salário de dezembro.

E eu tinha compromisso com os funcionários para pagar até o dia vinte e cinco”.

Sobre a possibilidade de tapar, pelo menos os buracos na estrada e nas ruas de Monte Verde, apenas garante que irá tapar buracos na estrada, “no máximo até a Ponte do Guilherme.” Nas ruas de Monte Verde e o restante da estrada só em março. 

 

VOZ DA TERRA – 30 DE MARÇO DE  2.001

Texto do debate, coordenado por Walter Monacci  em Monte Verde

  

DE: WALTER CUNHA MONACCI

REF.: LANÇAMENTOS DO IPTU/2.001 DE MONTE VERDE.

Amigos de Monte Verde,

Solicitei ao Vereador Rubens que nos informasse sobre os lançamentos de IPTU deste ano.

Isto porque, até o ano passado os carnês chegavam no final de janeiro e a parcela única vencia em fevereiro. Desta forma, creio que os proprietários de imóveis devem estar preocupados com eventual extravio do carnê.

Segue abaixo a resposta do Vereador Rubens, ao qual volto a agradecer a atenção:

Olá Walter

Os carnets de IPTU estarão saindo na próxima semana. Foi necessário uma lei que abolisse multas astronômicas de 0,1% e 0,2% ao dia.

Para quem estava em atraso por 1, 2, 3 anos ou mais a "coisa" ficava até ilegal.

Assim que os carnets chegarem enviarei a mensagem.

Rubens

 VOZ DA TERRA on line  – 09 DE FEVEREIRO DE  2.002

Texto extraído de Fórum de Leitores do jornal O Estado de São Paulo de hoje:

"...Mas em 2.002, gravar imóveis com área desocupada é muita burrice! Deveria é premiar quem mantivesse suas área desocupadas gramadas com árvores, etc...

Sílvia C. R. de Vasconcellos - Jundiaí"

Para quem não sabe em Monte Verde é a mesma coisa. Castiga-se com alíquota de IPTU dobrada a quem mantém área verde desocupada...

Sugiro que se inicie debate sobre o assunto, acreditando que o pior problema é aquele que sequer está sendo discutido.

Egydio

 

Chalés de madeira, com lareira, aquecimento. Central, som, TV em cores, frigobar e telefone. Também apartamento super luxo, com hidro, sauna, vídeo. Salão de convenções. Av. do Sol Nascente, 883. Fones:      (035) 3438-1246 /1418.

 

 

Piscina-aquecida, campo de futebol, churrasqueiras.   Centro de Convivência com American bar e restaurante.        

 

Chalés de madeira, avarandados no estilo alpino, belo jardim com a graciosidade de esquilos Domesticados. Estacionamento, sauna, mini-bar, lareira.          Av. do Sol Nascente, 890. 

Fone: (035) 3438.1389.

HOTEL POUSADA VARANDA POR DO SOL

Piscina, TV nos apartamentos, antena parabólica.

Fonefax: (035) 3438-1371